Páginas

domingo, 6 de outubro de 2019

Estreia de "Éramos Seis" na Globo gera comparação


Olá, internautas

Após 25 anos, “Éramos Seis” retorna à TV brasileira. Desta vez, na TV Globo. Na última segunda-feira (05/10), a nova novela das seis da emissora platinada criou expectativa no telespectador que acompanhou, principalmente, a versão do SBT em 1994.

Nestes primeiros capítulos, mesmo sendo baseada na adaptação de Silvio de Abreu e Rubens Ewald Filho, já dá para notar que ”Éramos Seis 2019” será uma outra novela. A emoção que dominou a trama sbtista não surgiu até aqui na nova produção.

A abertura é um indício. O calor humano fica longe da vinheta. Ar gélido. Movimentação computadorizada. Ao invés das relações humanas que marcam a obra, a casa ganhou o centro. Erro de foco.  

Gloria Pires, mesmo sendo atriz de remakes da faixa das seis, como Mulheres de Areia e Anjo Mau, não é uma escalação óbvia. Lilia Cabral teria sido o nome mais forte para o papel de Lola. Porém, a veterana estava desperdiçada em “O Sétimo Guardião”. Gloria construirá uma outra Lola. Dificilmente, atingirá o nível de excelência de Irene Ravache em um dos momentos mais ricos de interpretação na história das telenovelas. É um trabalho irrepreensível.

Nesta nova versão, tudo é ampliado nos cenários. A casa de Dona Lola, que era um sobrado geminado, se transformou em uma quase mansão. Quartos amplos. Cozinha ampla. Sala ampla. O imóvel não é condizente com a capacidade financeira de Julio. O cabaré também é gigantesco. Na Avenida Angélica, há uma casa que ainda está de pé. Teria sido uma inspiração para a cenografia? 


Os destaques positivos ficam por conta de Maria Eduarda de Carvalho, que interpreta Olga, e Eduardo Sterblitch, que vive Zeza. A dupla trouxe vibração para a obra. No SBT, Denise Fraga e Osmar Prado ficaram responsáveis pelos personagens. Antonio Calloni também sobressaiu como Julio. No SBT, Othon Bastos deu um ar mais sóbrio e sisudo ao marido de Lola. Calloni dará uma feição diferente.

Na TV Globo, a família Lemos mora na Avenida Angélica, 415.  A trama de ”Éramos Seis” tem o meu bairro como pano de fundo. Em 1994, estudava no Colégio Sion, mesma escola onde estalava a personagem Isabel. As gravações ocorriam aos sábados. Essa é uma das razões para a novela ainda encontrar-se fortemente na minha memória afetiva. Por isso mesmo, neste domingo (07/10), fui até o endereço. Não há o número 415. A casa ficaria nesta região da avenida. Tirei uma foto da área. Funciona hoje um estacionamento.



No SBT, a residência apresentava outra numeração. Fica três quarteirões para cima. Nos anos 90, funcionava o mercado Alfama que hoje não existe mais. Atualmente, a Swift ocupa o local. Curiosidade.



“Éramos Seis” é uma das obras-primas da nossa teledramaturgia. O SBT se mobilizou para a produção da telenovela. Era exibida até em dois horários. Na faixa das 19-20hs com reprise às 22 horas. O desafio da TV Globo é envolver o telespectador.

Fabio Maksymczuk

12 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Teve outra além do SBT? Lembro-me vagamente de outra mas duvido que tenha sido nos anos 90. Da Globo tudo vai e volta para o mesmo lugar... Cala-te boca...

    ResponderExcluir
  3. Estou gostando da novela e Glória Pires está ótima ,se fosse pra fazer igual a versão anterior seis melhor uma reprise

    ResponderExcluir
  4. O nome ja me era familiar.

    juliamodelodemodelo.blogspot.com

    ResponderExcluir