Páginas

quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

Boris Casoy surpreende na programação da TV Gazeta



Olá, internautas

Uma novidade surpreendente agita a TV Gazeta. Nesta segunda-feira (30/11), o veterano Boris Casoy estreou na programação da emissora da Fundação Cásper Líbero. “Jornal do Boris” vai ao ar entre 8h45 às 9h15. É uma faixa comprada pela Ultrafarma.

O apresentador, até aqui, não faz merchan da rede de farmácias. E nem há interrupção para intervalo comercial. As chamadas do estabelecimento de Sidney Oliveira surgem apenas em chamadas na tela.

O noticiário, na realidade, deveria anteceder o “Revista da Manhã”. Entre 10 horas às 10h30. O telejornal fica encaixotado entre infomerciais do Gazeta Shopping e dos anúncios da Ultrafarma. "Atenção pessoal da TV Gazeta, não se assuste com o telejornal. Parece bravo, mas é manso". Assim iniciou Boris Casoy logo em seus primeiros minutos na emissora. 

“Jornal do Boris” apresenta uma proposta interessante. Boris conversa, por meia hora, com o telespectador em um tom informal. É um bate-papo sobre as manchetes que ganham destaque nos jornais impressos e on-line. "O Globo é implacável com seus inimigos". Assim definiu Boris Casoy sobre a charge publicada no jornal impresso que satirizava a relação entre Bolsonaro e Crivella. "Agora, larga Crivella". Casoy venenoso. 

O apresentador sequer aparece de gravata ou terno. Surge em meio a livros e equipamentos antigos. O “cenário” traz um ar de aconchego.

O diferencial da nova atração é a opinião de Boris Casoy que analisa, principalmente, o universo político.  “Jornal do Boris” é uma grata surpresa.

Fabio Maksymczuk

segunda-feira, 30 de novembro de 2020

GloboNews e TV Gazeta se destacam em cobertura do segundo turno

 

Olá, internautas

Em um ano atípico, as Eleições 2020 chegaram ao fim (exceto Macapá). Neste domingo (29/11), as emissoras se mobilizaram com o desfecho do segundo turno.

A GloboNews fez uma extensa cobertura com o “Central das Eleições”. Cesar Tralli formou uma boa dupla com Nilson Klava que ficou no telão durante toda a apuração. Tralli conseguiu dividir o espaço de cada colaborador nesta transmissão.

Flavia Oliveira, Fernando Gabeira, Gerson Camarotti, Merval Pereira, Natuza Nery, Julia Duailibi, entre outros, fizeram pertinentes análises sobre a votação dos candidatos e projetaram o resultado das urnas para as próximas eleições de 2022.  

A TV Gazeta também realizou uma boa cobertura com o programa especial “Hora do Voto” comandado por Luciana Magalhães e Laerte Vieira. Celso Cardoso continuou à frente das entrevistas no estúdio com a colaboração de Denise Campos de Toledo por videochamada. Um dos momentos que mais chamou a atenção surgiu quando o jornalista chamou o vereador de São Paulo, Fernando Holiday (Patriota), de “senhor”. Celso já tem mais de 50 anos. Holiday tem 20 e poucos anos. Poderia ser um dos seus alunos. Momento curioso.  

Jonas Campos, outro jornalista do Departamento de Esportes, também atuou na cobertura, principalmente nos links que destacaram a vitória do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB).

2020 marcou mais um ano de fortalecimento da nossa democracia.

Fabio Maksymczuk

sábado, 28 de novembro de 2020

TVT marca identidade própria na TV brasileira

 

Olá, internautas

A TVT – TV dos Trabalhadores é uma das emissoras que ganha pouca visibilidade na mídia especializada. O canal encontra-se na TV digital, pelo menos aqui em São Paulo. É sintonizada em 44.01, próxima da Record News e TV Aparecida.

A TVT possui uma clara linha editorial. A programação, como um todo, tem um viés da chamada “esquerda”. É um espaço que tenta desconstruir o noticiário impregnando pelo neoliberalismo na chamada “grande mídia”.  

Nesse período eleitoral, a TVT promoveu debates entre os candidatos a prefeito. Em São Paulo, no primeiro turno, participaram do encontro Joice Hasselmann (PSL), Arthur do Val Mamãe Falei (Patriota), Marina Helou (REDE), Orlando Silva (PCdoB) e Jilmar Tatto (PT). Guilherme Boulos (PSOL) ausentou-se, inesperadamente, do debate. Já no segundo turno, o canal organizou o debate entre os candidatos a prefeito de Diadema, Filippi (PT) e Taka Yamauchi (PSD).

Jornalistas importantes integram o elenco da TVT, como Juca Kfouri que comanda “Entre Vistas”. Na mais recente edição, ele entrevistou a vereadora eleita em Salvador, Maria Marighella (PT), neta de Carlos Marighella. José Trajano é outro jornalista de destaque do canal. Em “Papo com Zé Trajano”, ele fala sobre futebol, política, música e cultura. Os dois, aliás, dividiam o “Cartão Verde”, na TV Cultura, nos idos anos 90.

 “Bom Para Todos” é outra atração que chama a atenção. A apresentadora Talita Galli comenta, por uma hora diária, o noticiário do dia. Ela bate papo com especialistas, intelectuais e outros jornalistas, como o editor-chefe da Rede Brasil Atual, Paulo Donizete.

E há atrações com jornalistas da chamada “nova geração”, como Vinicius Rodrigues, que comanda o programa de entrevistas “Resenha ao Quadrado”, que vai ao ar às quartas-feiras, a partir das 20h15. Ainda destacaremos esse ótimo profissional em um próximo post.  

A TVT é uma das emissoras que forma a nossa TV brasileira.

Fabio Maksymczuk

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

Histórias de vida chamam atenção no "Quem Quer Ser Um Milionário?"

 

Olá, internautas

“Caldeirão do Huck” tem chamado a atenção do público com “Quem Quer Ser Um Milionário?”. Já comentamos neste espaço que o quadro comandado por Luciano Huck é o “Show do Milhão” com os direitos legalmente adquiridos.

Porém, a atração na TV Globo fugiu do roteiro de perguntas e respostas. O telespectador, cada vez mais, é envolvido pelas histórias de vida dos desafiantes.

No último sábado (21/11), por exemplo, Janaí Caló desabafou no palco. Disse que quase foi assassinada por seu pai, sua mãe foi assassinada por ele, fugiu de casa e parou em um internato. Para sobreviver, trabalha como faxineira. E agora aos 50 anos, entrou na Faculdade de Ciências Sociais da PUC-Minas. Mesmo na labuta por mais de 40 anos, só tinha, até aquele momento, 20 reais de patrimônio monetário. Saiu da disputa com 100 mil reais. Impressionante.

Nesta temporada, já passaram, pelo púlpito de Huck, cientista envolvido nas pesquisas sobre Covid-19 que, na juventude, trabalhava de açougueiro no interior nordestino, professor universitário que já trabalhou em longínquas reservas indígenas, jovens que fundaram uma ONG especializada em educação (pré-vestibular), desafiante que desejava o prêmio para entrar no programa de doutorado em energia atômica na França, entre outros casos que ganham a torcida do público.

Huck sempre enfatiza que a educação é a mola propulsora para a transformação da sociedade. “Quem Quer Ser Um Milionário?” ganhou o DNA do brasileiro. E isso é ótimo.

Fabio Maksymczuk

domingo, 22 de novembro de 2020

Tatiana Tibúrcio se destaca em especial "Falas Negras"

 

Olá, internautas

Na última sexta-feira (20/11), a TV Globo exibiu “Falas Negras”, especial do Dia da Consciência Negra produzido pela emissora platinada. A atração idealizada por Manuela Dias e dirigida por Lázaro Ramos reuniu 22 atores e atrizes que interpretaram falas reais de personalidades que marcaram a história da comunidade negra pelo mundo.

O especial não trouxe um ritmo de fácil “digestão” ao telespectador. Com a pandemia do novo Coronavírus, a solução encontrada foi a transformação dos discursos em 22 monólogos. Um atrás do outro, em sua grande maioria com o fundo preto e pouca luz como cenário. Uma linguagem mais teatral do que televisiva. Era necessário ter absoluto foco para acompanhar as vinte e duas histórias em um mesmo tom por mais de uma hora.

“Falas Negras” deveria ter focado nas histórias dos brasileiros. Problematizar as mazelas do racismo estruturado em nosso País. O especial resgatou lideranças norte-americanas, como Rosa Parks, Malcom X e Martin Luther King. Como disse Milton Santos, interpretado por Ailton Graça no especial, “é diferente ser negro no Brasil”.

Mesmo com essas ressalvas, “Falas Negras” cumpriu a sua missão em destacar na programação da TV Globo uma causa que sempre passou longe dos holofotes, inclusive na programação da própria emissora. A TV Globo possui uma dívida histórica com atores e atrizes afrodescendentes. Há um número ínfimo de histórias protagonizadas por tais profissionais por mais de 50 anos. Em nosso País, diferente dos Estados Unidos, a maioria da população é preta e parda. E isso não é percebido na televisão brasileira. Até mesmo, o negro brasileiro se enxerga mais em produções estadunidenses.

Sem dúvida alguma, Tatiana Tibúrcio chamou atenção em “Falas Negras”. Incorporou, de fato, a empregada doméstica Mirtes Souza, mãe do menino Miguel Otávio que morreu após ter despencado de um edifício de alto padrão no Recife, quando estava sob cuidados da patroa que integra a alta sociedade pernambucana. Aliás, nestas Eleições, o seu marido Sergio Hacker perdeu a eleição para prefeito de Tamandaré. A atriz emocionou o telespectador que ficou envolvido com sua atuação.

“Falas Negras” é um avanço para o debate da exclusão dos afrodescendentes em nosso País.

Fabio Maksymczuk

quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Record TV enfrenta dilema na programação vespertina

 

Olá, internautas

Nesta semana, a Record TV remexeu a grade de programação vespertina. Após a hecatombe do “Programa da Tarde”, a emissora resolveu resgatar novelas do seu baú para tapar o buraco. A solução encontrada foi exitosa. Neste ano, por exemplo, a quinta exibição de “A Escrava Isaura”, na primeira faixa, registrou 11 pontos de média no último capítulo. Sucesso.

A segunda faixa de reprises cedia um pouco nos índices de audiência. O canal garimpou “Caminhos do Coração”, sucesso absoluto na década passada. Porém, na época, a Record se lambuzou com o fenômeno e esticou a trama ao máximo com duas produções posteriores: “Os Mutantes” e Promessas de Amor”. Sem a mesma repercussão.

E o mesmo fenômeno se repetiu agora. A emissora resolveu picotar o repeteco da saga dos mutantes. Os telespectadores fiéis à atração ficaram revoltados. E para piorar a situação desse público, o canal interrompeu a trilogia e não reprisará “Promessas de Amor” com Marcos Pitombo e Maytê Piragibe como protagonistas.

Com tal estratégia, “Balanço Geral” ganhou mais cinco minutos no ar. “Escrava Mãe” ocupou a vaga dos mutantes. Terminava às 16 horas e agora vai até 16h40. Cerca de 1 hora e meia. A novela produzida pela Casablanca não sustentou os índices de Isaura. Fica no patamar dos 5 pontos.

Portanto, agora há um buraco na programação vespertina. Esticar o Balanço Geral não é recomendável. Já está com três horas e meia de duração. O mesmo acontece com o Cidade Alerta com também três horas e meia. O retorno do Tudo a Ver em seu formato original (com o saudoso Paulo Henrique Amorim) seria interessante.

Fabio Maksymczuk

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

Overdose de Datena surge em cobertura das Eleições 2020

 

Olá, internautas

Neste domingo (15/11), a TV brasileira se mobilizou na cobertura das Eleições 2020. Na TV Globo, William Bonner e Renata Lo Prete fizeram uma boa dupla no comando da “Marcha da Apuração”. Depois das 17 horas, os dois jornalistas apresentaram a “Boca de Urna” que, mais uma vez, errou. Guilherme Boulos, candidato a prefeito de São Paulo pelo PSOL, surpreendeu ao registrar, nesta pesquisa, 25% dos votos válidos. Porém, nas urnas, conquistou cerca de 20%.

Já na Record TV, “Hora do Faro” não perdeu seu espaço. A cobertura mais intensa aconteceu na Record News. Augusto Nunes, Eduardo Ribeiro e Christina Lemos comandaram o noticiário. Christina enalteceu a "força" do Republicanos (partido ligado à IURD) e o pouco fortalecimento do PSL nestas Eleições. Heródoto Barbeiro também marcou sua presença no estúdio.

A TV Gazeta chamou a atenção do telespectador com o “Hora do Voto”. O jornalista Celso Cardoso comandou entrevistas no estúdio. Personalidades do mundo político, como a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL), passaram pela Fundação Cásper Líbero. Já Denise Campos de Toledo entrevistou a ex-prefeita Marta Suplicy por videochamada. Nestas coberturas, o público da emissora sente falta de Maria Lydia.

Já a Band cedeu grande parte da programação dominical ao pleito eleitoral. José Luiz Datena surpreendeu ao aparecer no “Band Eleições”. A onipresença do jornalista começa a incomodar. O apresentador já lidera o “Brasil Urgente” com mais de 3 horas diárias. Além disso, Datena aparece no comando da edição de sábado do programa, após narrar os jogos do Campeonato Italiano. Tem ainda o seu programa matinal diário na Rádio Bandeirantes. E agora surgiu na cobertura política.

No dia anterior das Eleições (14/11), Datena, durante o “Brasil Urgente”, insistiu com um diretor de pesquisas eleitorais sobre a provável vitória do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), em primeiro turno. Isso passou longe da realidade com a votação de 33% no domingo. Durante o “Band Eleições”, enalteceu a votação do candidato que tenta a reeleição. Na realidade, Bruno ficou bem abaixo dos 53% obtidos pelo correlegionário João Doria em 2016. O jornalista foi cotado para ser vice do tucano.

Mesmo após os problemas de saúde, Datena permanece com a rotina árdua de trabalho. Isso deveria ser reavaliado pela cúpula do canal. Não havia a menor necessidade de convocá-lo para o “Band Eleições”. A edição de sábado deveria ser apresentada pelo seu atual substituto, Lucas Martins. E na narração esportiva, a emissora deveria apostar em um profissional da nova geração.

Fabio Maksymczuk

sábado, 14 de novembro de 2020

Uma tarde de domingo na Rede NGT

 

Olá, internautas

Um dos objetivos deste espaço é destacar os programas relegados pela mídia especializada. Desse modo, zapeei pelos canais através do decodificador da TV digital. Reencontrei a Rede Brasil que agora, na minha televisão, está em 94.01. Há ainda a menção dessa emissora em 10.01. Continua a aparecer a mensagem de sem sinal.

Sempre fiquei curioso em acompanhar a programação do canal NGT. Jamais tive acesso. Também aparecia a mensagem “Sem sinal”. Porém, no último domingo (08/11), surgiu na minha televisão em 48.01.

Assisti ao programa “Na Levada do Samba” sob comando de Nayra Cezari. Vai ao ar aos domingos, a partir das 15 horas. É uma atração que destaca, durante o ano todo, as escolas de samba de São Paulo e Rio de Janeiro. Não focam apenas no Grupo Especial, mas também nas agremiações dos diferentes grupos de acesso.

É um importante espaço para quem acompanha os desfiles das escolas no Carnaval que ganha destaque na grande mídia apenas nas semanas que antecedem o espetáculo, seja no Anhembi ou Sapucaí. As agremiações trabalham o ano todo para o grande momento. “Na Levada do Samba” tem esse grande mérito.

Já a partir das 16 horas, entra o “Dogão Show” apresentado pelo “Boy do Forró”. A atração de “baixo orçamento” não se resume ao forró, mas há diferentes estilos musicais. São aqueles cantores e cantoras que buscam seu espaço na mídia. Hoje em dia, a internet serve como palco principal para esses artistas que sonham com a fama.

Mesmo assim, “Dogão Show” continua sendo a arena para esses profissionais na televisão. Um dos destaques do dia ocorreu com o trio das “Madurinhas do Forró”. “As madurinhas estão pegando fogo. Estão pegando fogo...Agora estão de namoro novo...Namoro novo”...Essa é a letra do hit. “E esse amor molhado... Cubro com espuma o seu corpo nuuuuu. Nós dois debaixo do chuveiro.... Amor louco com cheiro de xampuuuuuuuuu”, cantou Andreina Costa nesta tarde.

A Rede NGT é uma das emissoras que forma a nossa televisão brasileira.

Fabio Maksymczuk

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

Record TV acerta em dia e horário do "Game dos Clones"


Olá, internautas

“Game dos Clones” já estreou na Record TV. O programa comandado por Sabrina Sato garante um expressivo patamar nos índices de audiência. Gira ao redor dos 9 pontos de média na faixa da meia-noite. Para comemorar.

A emissora acertou no dia e horário de exibição. Sucede “A Fazenda 12”, que é um sucesso no IBOPE, substitui um filme norte-americano e ocupa a vaga em uma faixa com pouquíssimas opções ao telespectador.

“Game dos Clones” é um programa que traz uma renovação no antigo “Namoro na TV”, de Silvio Santos, por exemplo. Um rapaz ou uma moça informa as características físicas que aprecia no (a) pretendente.

Adentra a sala e surgem todos (as) com o mesmo tipo físico. As roupas iguais reforçam a aparência de “clones”. E começa o jogo da paquera em uma mansão. É a linguagem de reality show que adentra o velho “programa de namoro”.

Na edição mais recente exibida na última sexta-feira (06/11), Lucas Kendi beijou todas as competidoras pelo “seu coração”. O telespectador mais conservador pode rejeitar tal postura ao argumentar que beijo é algo íntimo. Já os mais “descolados”, em especial, acreditam que isso pode possibilitar a descoberta da chamada “química”.

Sabrina Sato comanda a nova aposta exibida na Record TV. Igual ao que ocorreu no Made In Japão, a apresentadora não aparece como uma âncora da disputa. Começa a dar risada do nada, por exemplo, em determinados momentos. Cria um ruído no formato. Isso não compromete o andamento do programa, já que a comandante pouco interfere. Porém, é algo a ser observado.

“Game dos Clones” funciona no dia e horário de exibição estipulado pela Record TV. Um acerto da emissora.

Fabio Maksymczuk 

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

LUTO - Vanusa, descanse em paz

 

Olá, internautas

Nesta madrugada de domingo (08/11), Vanusa faleceu aos 73 anos por insuficiência respiratória. Soube de tal fato pela Rádio CBN. A artista enfrentava problemas de saúde há mais de 10 anos.

O primeiro indício ocorreu no fatídico episódio do Hino Nacional. Na época, comentamos no antigo espaço do UOL sobre o desrespeito com a artista. “Programas de rádio e televisão tiraram sarro do episódio. O “Pânico na TV” até editou as imagens com uma foto de Fernando Vannucci que recentemente também passou pelo mesmo problema. Diferentes atrações foram às ruas para colher as “piores” interpretações do Hino. Ratinho, em tom jocoso, questionou qual seria o problema da mulher ter bebido antes”, relatei. “Muitos programas não respeitaram a loira. Perderam a mão. Com todo o rebuliço, Vanusa voltou a aparecer na mídia e, quem sabe, vai fazer do limão uma limonada”, conclui.

Logo depois, Vanusa protagonizou uma campanha publicitária, após ter enfrentado sérios problemas em sua saúde mental que já sinalizava a síndrome de Alzheimer/demência.

E o mesmo enxovalhamento sofrido pela cantora agora aparece sobre os filhos Rafael Vannucci, Aretha Marcos e Amanda Marcos. O “tribunal da internet” xinga os três herdeiros por terem “deixado” a mãe em um “asilo”. Infelizmente, parte da nossa sociedade está doente. Rancorosa. Desrespeitam a dor alheia. Minha solidariedade.

Vanusa é muito maior que a “cantora do Hino Nacional”. Ela é intérprete da primeira trilha sonora do Fantástico. Protagonizou até novela, Cinderela 77, ao lado do príncipe Ronnie Von na TV Tupi.

Suas canções, de cinco décadas atrás, permanecem até hoje na boca do povo. “Manhãs de setembro” é um hino do cancioneiro popular. Vanusa, na realidade, é a verdadeira vencedora da Casa dos Artistas 2. Rafael Vannucci ganhou o voto após ter revelado que com o prêmio compraria a casa para a sua mãe

A primeira peça de teatro que assisti e fiquei encantado foi exatamente com Vanusa. 1996. Lá no Hospital Santa Catarina - Avenida Paulista. Mulher que reverberava energia no palco. Sempre ficará na minha memória afetiva.

Vanusa, descanse em paz. Minhas condolências a amigos, familiares e fãs.

Fabio Maksymczuk

sábado, 7 de novembro de 2020

Teleton 2020 ocorre sem repercussão

 

Olá, internautas

Neste sábado (07/11), em uma versão mais compacta, o SBT promoveu “Teleton 2020”. A tradicional maratona beneficente foi ao ar entre 10h30 às 20h30. Os números musicais, majoritariamente, vieram de “lives”.

As participações de apresentadores e artistas de outras emissoras também surgiram em videochamadas. Os bate-papos com os atendidos pela AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente) também ocorreram pela internet.

No estúdio, basicamente, ficaram os apresentadores do SBT que comandaram a campanha. As empresas também fizeram suas doações em gravações. O clima de “festividade” com o encontro de estrelas da TV brasileira, empresários e portadores de deficiência, evidentemente, não ocorreu nesta edição atípica.

Durante a campanha, a AACD salientou que também foi atingida pela epidemia do novo Coronavírus. O atendimento foi bruscamente diminuído. Essencialmente, focaram nas cirurgias de urgência.

Dentro desse contexto, não estipularam uma meta de arrecadação. Além disso, as doações poderão ser efetuadas até o fim do ano. É o “novo normal” do Teleton. Mesmo assim, a maratona angariou R$ 26 milhões e 745 mil. No ano passado, em sua versão estendida, conquistaram mais de R$ 32,4 milhões.

Silvio Santos, pelo segundo ano consecutivo, não apareceu na campanha. A família Abravanel encerrou a campanha. Patricia, Rebeca, Tiago e Silvia comandaram a reta final. Nesta edição, o “salvador” Mauro Zukerman não apareceu. O quarteto seguiu o roteiro à risca. Cada um no seu quadrado.

Tiago, como em outras ocasiões, grita desnecessariamente na apresentação. Silvia insiste em ser apresentadora. Complicado. Rebeca se atrapalhou na despedida final. Patricia falou por cima da irmã. No geral, cumpriram a meta de “costurar” os vídeos das doações finais. O momento gospel, mais uma vez, surgiu. O pastor André Valadão soltou a voz com uma canção evangélica.

Mesmo com uma versão compacta, o desgaste do formato da maratona é evidente. O SBT precisa reinventar a campanha. Teleton 2020 conquistou índices pífios na audiência. Oscilou, em grande parte, entre 3 e 4 pontos. Repercussão muito baixa nas redes sociais, especialmente no Twitter. Sequer apareceu no Trending Topics.

Além da arrecadação, o maior mérito do Teleton é colocar em destaque as pessoas com deficiência, tema relegado na grande mídia. Por isso mesmo, a campanha precisa de uma reformulação.

Fabio Maksymczuk  

quinta-feira, 5 de novembro de 2020

Heraldo Pereira peca pela falta de agilidade em cobertura das eleições dos EUA

 

Olá, internautas

As eleições norte-americanas se transformaram em um verdadeiro reality show. Milhões de votos em Donald Trump e Joe Biden no “paredão” que definirá o vencedor, ou melhor, o próximo presidente dos Estados Unidos.

A corrida pelo posto máximo de “líder” agita o noticiário desde a última terça-feira (03/11). A Globo News tem realizado uma cobertura intensa sobre o pleito eleitoral. No início da apuração, Heraldo Pereira comandou o noticiário ao lado de Marcelo Lins, Demétrio Magnoli, Sandra Coutinho, Jorge Pontual, Luis Fernando Silva Pinto, Guga Chacra, Tiago Eltz, Flavia Oliveira, dentre outros. Um número excessivo de comentaristas.

Heraldo pecou pela falta de agilidade na condução da cobertura. Lento. Distribuiu mal o espaço de cada um. De toda a equipe, Guga Chacra é o jornalista que melhor conhece os meandros das eleições estadunidenses. Merecia ter ganhado mais espaço nas análises. O apresentador insistia em chamar Demétrio.

Guga, visivelmente, ficou irritado no vídeo. E com razão. O jornalista é o grande destaque do canal de notícias. Precisa ser valorizado. É o especialista. Eltz também passou uma condução cadenciada e demorava para mostrar os números da votação no telão. Chacra interveio para acelerar.

Ao lado de Guga, Flavia Oliveira é outra jornalista que se destacou. Traçou paralelos entre o processo eleitoral dos EUA e o atual momento político no Brasil. O peso da religião e a onda conservadora em ambos países chama a atenção.

Exceto Guga que tentou uma postura mais neutra, os demais jornalistas não escondiam a torcida pela vitória democrata. Na CNN Brasil, a cobertura buscou um melhor equilíbrio entre Trump e Biden. As recentes contratadas, Carla Vilhena Gloria Vanique, já foram apresentadas nesta cobertura que trazia material, em tempo real, da matriz.

Agora, todas as câmeras estão de olho nos próximos passos da apuração. Trump e Biden mobilizam seus “fã-clubes” que prometem novas emoções pelas ruas dos Estados Unidos. O mundo está vendo. O jogo continua.

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 3 de novembro de 2020

Maisa deixa SBT com programa minguado

 

Olá, internautas

No último sábado (31/10), o SBT exibiu a última edição do “Programa da Maisa”. A eterna “mini petit” comunicou sua decisão, há algumas semanas, de deixar a emissora de Silvio Santos.

Maisa ganhou a sua própria atração com boa perspectiva. Estreou até na liderança. Porém, perdeu fôlego durante os meses. Não sustentava os índices de audiência herdados da série norte-americana Thundermans que seria, teoricamente, o mesmo público da jovem.

A jovem ficou engessada no talk show. Oscar Filho conseguia uma melhor “liberdade” com suas boas tiradas. Maisa, quando criança, chamava a atenção do telespectador pela sua espontaneidade. Irreverência. E isso não se viu em seu programa televisivo.

Maisa, na realidade, buscará o seu público que se encontra na internet. Ela já conta com mais de 35,6 milhões de seguidores só no Instagram. O diálogo com o seu público, sem as amarras de direção, do formato da televisão e das orientações de Silvio Santos, flui melhor nas redes sociais.  

Maisa simboliza o retrato das novas formas de comunicação midiática e o envelhecimento da TV brasileira.

Fabio Maksymczuk

domingo, 1 de novembro de 2020

LUTO - Louro José deixa saudade

 

Olá, internautas

Neste domingo (01/11), uma notícia entristeceu os telemaníacos. Tom Veiga, que durante 23 anos interpretou o icônico Louro José, morreu. Tinha ido à padaria e quando cheguei ao apartamento, fui logo avisado do fato. Não acreditei no momento. Corri para o computador e constatei que era verdade.

Acompanhei o nascimento do Louro na então Rede Record. Foi no Note e Anote, programa de Ana Maria Braga que ocupava as tardes da emissora. O icônico “mascote” da apresentadora sempre aparecia no início da atração. 1997. 13 horas. Corrida do colégio para assistir às charadas do “pássaro“. O que o pontinho amarelo .... O que o pontinho vermelho...E ele gostava de dançar: Passa no pagode da amarelinha...Se liga vê se mexe, mas não sai da linha...

Louro José se transformou em um verdadeiro parceiro dos telespectadores no decorrer dessas mais de duas décadas. Nos últimos anos, Tom Veiga ganhou os holofotes pela sua vida pessoal. Sempre aparecia nos programas, sites e revistas especializadas em “vida alheia”. Veiga casou. Separou. Encontrou uma nova parceira. Será que ele virá para São Paulo acompanhar La Braga?

Louro José já deixa saudades. A memória afetiva do telespectador sempre lembrará, com carinho, do companheiro de Ana Maria Braga e de todos nós. Louro José se transformou em um dos símbolos da televisão brasileira. Descanse em paz. Meus pêsames a amigos, familiares e fãs de Tom Veiga. 

Ps: nesta manhã de homenagens no "Mais Você" e "Encontro", Luciano Huck defendeu que Louro José, na realidade, era um apresentador. Pura verdade. 

Fabio Maksymczuk

sexta-feira, 30 de outubro de 2020

"A Fazenda 12" mistura sucesso com turbulência

 

Olá, internautas

A Record TV vibra com os índices de audiência conquistados pela décima segunda edição de “A Fazenda”. O reality show já garante a liderança isolada na média geral para a emissora da Barra Funda.

Fabio Porchat, que deixou a Record TV, sofre surras no IBOPE, de sua antiga casa, com o “Que História É Essa, Porchat?. Nesta mais recente edição, a atração recordiana registrou 16 a 9 pontos. É válido lembrar que o humorista garantia seu melhor desempenho no IBOPE com o efeito cascata vindo da “atração rural”. Sofre agora do efeito bumerangue. O que ajudou em um momento, agora volta contra. Renata Lo Prete sofre derrotas consecutivas com o “Jornal da Globo. ”A Fazenda 12” chega a conquistar o placar de 19 pontos a 7.  

Porém, há um outro lado da moeda que atormenta produção e direção do programa. Nesta semana, em especial, fatos negativos tiraram o brilho das conquistas. Um carro de som invadiu a vizinhança do sítio em Itapecerica da Serra onde ocorre as gravações. Os peões confinados ouviram a mensagem direcionada a MC Mirella que arranhou a sua imagem durante o reality. Segundo o conclama, a funkeira deveria se afastar de Biel e Juliano e confiar apenas em Stéfani Bays. E ela já emite sinais que atenderá tal solicitação.  Uma interferência externa que altera o jogo.  

Em sequência, Biel infringiu a orientação de Marcos Mion que pediu nenhum gesto ou comentário sobre o “poder da chama”. Durante a exibição ao vivo, o apresentador minimizou o comportamento do cantor durante a “formação da roça”. A gritaria foi gigante nas redes sociais. O programa teve que recuar e cancelou o poder dado pelo rapaz a Victoria Villarim.  

No dia seguinte, mais confusão. A prova que escolheria o novo fazendeiro da semana e a formação do trio que encararia a votação popular para eliminação enfrentou percalços. Um erro grave na soma dos pontos obtidos por Tays Reis, Jakelyne Oliveira e Lipe Ribeiro azedou de vez a relação com o telespectador. A votação teve que ser suspensa e a prova refeita ao vivo na noite desta quinta.   

Mion, visivelmente, ficou perturbado com as críticas e os erros da produção. Emocionou-se à frente das câmeras na noite da eliminação de “Vic”. O reality enfrenta sucesso com turbulência em meio aos cuidados gerados pela pandemia do novo Coronavírus.

Diante de tal situação, a emissora veio a público pedir desculpas em um Comunicado Oficial. “A produção de A Fazenda 12, o apresentador Marcos Mion e a Record TV pedem desculpas aos telespectadores, a quem acompanha o programa pela internet, por streaming e pelas redes sociais e também a todos que votaram pelo ocorrido”, ressaltou o informe.

Jojo Todynho e Biel continuam a polarizar o reality. O jogo flui com o olhar atento do telespectador. Erros primários de uma equipe que já experimentou 12 vezes o reality não serão minimizados.

Fabio Maksymczuk