Páginas

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Está gravado: "Jornal Nacional" expõe Bolsonaro



Olá, internautas

Desde a consagração de Jair Bolsonaro nas urnas eleitorais em 2018, ressaltamos neste espaço que seria aberto mais um capítulo da guerra midiática com a TV Globo no epicentro. E não deu outra.  
Nesta terça-feira (19/02), o “Jornal Nacional” explorou as consequências da exoneração de Gustavo Bebianno. O telejornal destacou áudios de Bolsonaro e do ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência divulgados pelo site da revista Veja.

O “demitido” tinha afirmado que, durante a crise que envolveu denúncias sobre o PSL, tinha conversado com o presidente. Eis que Carlos Bolsonaro e pai negaram enfaticamente tal informação. Os áudios comprovam a afirmação do carioca.

Neste material, Bolsonaro ataca diretamente a TV Globo. Bebianno teria um encontro com o vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Globo, Paulo Tonet Camargo. Eis que Bolsonaro dispara: “Gustavo, o que eu acho desse cara da Globo dentro do Palácio do Planalto: eu não quero ele aí dentro. Qual a mensagem que vai dar para as outras emissoras? Que nós estamos se aproximando da Globo. Então não dá para ter esse tipo de relacionamento. Agora… Inimigo passivo, sim. Agora… Trazer o inimigo para dentro de casa é outra história”.

O momento do vazamento dos áudios lembrou qualquer edição dos realities de confinamento, seja “BBB” ou “A Fazenda”. Como diria qualquer confinado, “está gravado”. O “capitão”, agora, está no paredão.

Bolsonaro desprestigia a TV Globo desde o início do seu governo. O presidente concede entrevistas exclusivas para SBT e Record TV. Por isso mesmo, o “Jornal Nacional” sempre fica a reboque. William Bonner e Renata Vasconcellos, corriqueiramente, ressaltam no noticiário que o presidente, em entrevista para tal emissora, falou....

O eleitor acompanha o reality “Palácio do Planalto”, agora protagonizado por Jair Bolsonaro e seus três filhos. Neste caso, não há mutirão de votos que possa salvar sicrano ou beltrano. A conferir.

Fabio Maksymczuk

domingo, 17 de fevereiro de 2019

"Troca de Esposas" estreia com desafio



Olá, internautas

Na última quinta-feira (14/02), a Record TV estreou “Troca de Esposas”. O novo reality, comandado por Ticiane Pinheiro, entrou em uma faixa concorrida. Bateu de frente com “A Praça É Nossa” e a transmissão do jogo do Corinthians pela Copa Sul-Americana na RedeTV!.   

O programa exibirá, no decorrer dos episódios, a troca que envolverá uma família de anônimos e outra de famosos. Além de esposas, também haverá “substituição” de maridos em algumas edições.

Nesta estreia, a “carnívora” Aritana Maroni e a vegana Nana Indigo protagonizaram a atração. O confronto de estilos de vida ganhou espaço, como ocorria no saudoso “Troca de Família”, um dos melhores realities já produzidos pela Record.

O momento que mais chamou a atenção do telespectador ocorreu com a ex-fazendeira, ex-power couple e ex-masterchef. A filha de Oscar Maroni ficou literalmente na calçada para alimentar-se com uma refeição baseada em carne. A família vegana foi extremamente deselegante, como diz Sandra Annenberg.

Porém, o maior desafio do reality recairá na edição das trocas. Durante a coletiva de imprensa, o diretor Rodrigo Carelli informou que, diariamente, são gravadas cerca de 10 horas. Ou seja: oito dias vezes 10 em um total de 80 horas. Desse material, pouco mais de 1 hora vai ao ar.

Neste primeiro episódio, a edição ficou videoclipada. Cenas rápidas, principalmente na reta final. Não ocorreu o retrato de primeiro dia, segundo dia e assim por diante. Ficou curto o primeiro bloco dos quatro dias. Ganharam mais atenção os dias restantes.

No “Troca de Família”, a edição sempre funcionou, justamente porque eram dois dias na grade de programação: às terças e quintas. “Troca de Esposas” ficou somente na quinta. Esse é o desafio. Condensar todo o material de gravação em um ritmo agradável. 

Fabio Maksymczuk

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

FABIOTV na coletiva do "Troca de Esposas"



Olá, internautas

Nesta terça-feira (12/02), tive a oportunidade de acompanhar a coletiva de imprensa do reality “Troca de Esposas”. Sob comando de Ticiane Pinheiro, a atração estreia nesta quinta-feira (14/02) na Record TV. O evento ocorreu na região da Avenida Paulista. Tive a oportunidade de conhecer pessoalmente a apresentadora. Ela é uma mulher bonita, mas o que mais chama a atenção é sua espontaneidade. Muito simpática.

Indaguei se “Tici” ainda tem contato com a família Paiuta do “Simple Life”. Disse que perdeu o contato, mas sente carinho por eles. Comentei que a própria apresentadora já tinha passado pela experiência da “troca” neste reality que deixou saudade entre os telespectadores. A loira saiu da agitação urbana para conviver com Karina Bacchi no meio rural.

Também conversei com o diretor Rodrigo Carelli que sempre é atencioso com este blogueiro. Questionei se ele não preferia o “Troca de Esposas” às terças ao invés das quintas. Respondeu que a Record quer produtos fortes em horários disputados. Enfrentará o humorístico “A Praça É Nossa” que sempre vai bem nos índices de audiência. É uma faixa complicada.


Durante o bate-papo, comentei que um jornalista que cobre TV e celebridades disse que tinha sido convidado para participar de uma edição de “A Fazenda”. Carelli afirmou que a produção apenas sondou o rapaz. O diretor queria, de fato, uma “jornalista venenosa”, mas ela recusou o convite.

Durante a coletiva, Carelli “brincou” que Aritana Maroni, que marcará hoje a estreia do “Troca de Esposas”, já é uma profissional de realities. "Só falta o Dancing pra ela fazer", ironizou. A gravidez de Ticiane Pinheiro foi o maior alvo das jornalistas. Queriam saber de dieta, roupas, a primeira paternidade de Cesar Tralli, a escolha do nome da pimpolha e perguntas afins.

Agradeço o convite da assessoria de comunicação da Record TV. Sempre é um prazer acompanhar os eventos que envolvem os profissionais da televisão brasileira. No próximo post, comentaremos sobre o primeiro episódio do “Troca de Esposas”.

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Justus alfineta TV Globo em coletiva de "O Aprendiz"


Olá, internautas

Nesta segunda-feira (11/02), tive a oportunidade de acompanhar a coletiva de lançamento da décima primeira edição de “O Aprendiz”. Sob comando de Roberto Justus, agora o reality desembarca na Band. Estreará em 18 de março com 18 influenciadores digitais. Vivianne Brafmann, a primeira vencedora da atração, e José Roberto Marques serão os conselheiros.

Confesso que não acompanho com afinco tal universo. Do elenco, conheço superficialmente apenas PC Siqueira, Gabi Lopes e Erasmo Viana (pelas fofocas do noticiário das celebridades). Durante o encontro, Ru Baricelli, filha do Luigi Baricelli, foi a participante que mais se destacou. Fala bem. Concatenou as ideias. Gostei. Jessica Belcost é a mais “gata” do elenco. Xan Ravelli, a única negra, também é linda.

Neste meio, muitos influenciadores já se conhecem aqui do lado de fora. Leo Bacci, por exemplo, comentou que considera PC Siqueira o mais forte do grupo. O rapaz revelou ainda que iniciou nesta área justamente influenciado pelo ex-MTV.  

Larissa Erthal comandou a coletiva. A jornalista comentou que sua prima, Marina Erthal, foi a vencedora da sexta edição do reality. Curiosidade que desconhecia. Marina ainda trabalha no antigo conglomerado do Justus.


O apresentador foi o mais requisitado pelos jornalistas nesta ocasião. Indagado sobre os realities na Record, enfatizou que “A Fazenda” envolve uma produção muito complexa e é o maior reality do gênero no Brasil. “Mais que o Big Brother”, enfatizou. Porém, ele disse que não é público desse tipo de reality e assistia somente para acompanhar a sua performance no vídeo. O grisalho ainda salientou que não é público nem do Ratinho e nem do Silvio Santos. Observação pessoal: complicado...

Sobre a sua saída da Record, Justus frisou que não ocorreu demissão, mas um acordo comum. “Adoro a Record. O Aprendiz sempre foi muito bem produzido. Não cuspo no prato que comi”, sentenciou. Justus tem direito a produzir o reality nos próximos três anos.  Justus elencou quatro elementos que definem o sucesso do programa dos aprendizes. “Emoção, competição, meritocracia e drama”, enumerou.

Em seguida, comentou que muitas emissoras ficaram interessadas no formato de “O Aprendiz”, inclusive a Record. O empresário ponderou que só não levou o projeto para a TV Globo. Em seguida, disparou: “Lá precisa de uns bons programas”. “Quem sabe um programa assim por lá daria uma melhorada na programação, com todo respeito”, detonou.


O apresentador disse que as gravações terminarão antes do que será exibido na TV. Os influenciadores não ficarão confinados durante três meses. Isso é preocupante, já que gerará vazamento de informações para a imprensa. O programa ficará no ar durante três meses e meio. O veredito final será ao vivo.

Indaguei Justus sobre as demissões. 18 influenciadores em 3 meses e meio. Percebi que haverá mais de um eliminado em alguns programas. Fiz essa observação. Eis que ele respondeu: "Você é um rapaz esperto". Depois, desviou o assunto. Acredito que é um dos segredos desta temporada.

Questionado se pretende tornar-se um influenciador digital, Justus respondeu que é apenas um turista digital. Possui mais de um milhão de seguidores por naturalidade. Sua parceira, Ana Paula Siebert, sempre diz que o companheiro não saber fazer stories, colocar filtro nas fotos e demais ações. “Minha esposa é influenciadora digital. Tira foto de tudo, até do que come”, zombou. “O mundo mudou e a gente tem que mudar com ele”, concluiu.

Agradeço o convite da assessoria de comunicação da Band. Sempre é um prazer acompanhar os eventos televisivos.

Fabio Maksymczuk

domingo, 10 de fevereiro de 2019

"Espelho da Vida" ganha fôlego com ótima fase de Vitória Strada


Olá, internautas

A trinca de telenovelas da TV Globo enfrenta adversidades nos índices de audiência. “Espelho da Vida”, “Verão 90” e “O Sétimo Guardião” encontram-se abaixo da meta. Apesar disso, a novela das seis, nesta reta final, ganhou fôlego.

A trama de Elizabeth Jhin passou confusa ao telespectador. Basicamente, são três histórias que correm em paralelo. A primeira recai na produção do filme dirigido, até então, por Alain (João Vicente de Castro). A segunda aborda o passado protagonizado por Julia Castelo (Vitória Strada). Já a terceira é na contemporaneidade fincada em Cris (Vitória Strada). Passado e presente ficam mesclados. Vai. Volta. E os obstáculos do filme surgem em meio a isso desde o primeiro capítulo.   

Porém, nesta última parte da novela, os três núcleos se fundiram. No capítulo exibido na última quinta-feira (07/02), Vitória Strada viveu o seu melhor momento na produção. Após ser dopada a mando de Isabel (Alinne Moraes), Cris surtou. Misturou o passado com o presente. A atriz foi totalmente visceral na interpretação. Entregou-se à personagem por completo.

Vitória entrou de supetão no elenco. A personagem já estava reservada a Isis Valverde que ficou grávida. Emendou um trabalho ao outro na mesma faixa horária. Aproveitou a oportunidade em “Tempo de Amar” e agora sobressai em “Espelho da Vida”.

O telespectador que acompanha a trama agora quer descobrir, junto com Cris, o que, de fato, aconteceu no passado com Julia Castelo.  A novela cresceu.

Fabio Maksymczuk

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Velho problema marca estreia do "The Four Brasil"



Olá, internautas

Nesta quarta-feira (06/02), a Record TV estreou “The Four Brasil”. A nova atração de Xuxa Meneghel é mais um talent show musical. Como sempre ressaltamos neste espaço, a atração é o velho e batido “Show de Calouros” com uma embalagem moderna. Luzes. Led. Efeitos que tentam rejuvenescer o conteúdo. Apenas “tentam”.

Desta vez, Xuxa ressaltou que o programa começa do fim. Quatro finalistas já foram selecionados pelos jurados Aline Wirley, João Marcello Bôscoli e Leo Chaves. Os desafiantes surgem no palco. Os aprovados pelo trio encaram uma batalha com o quarteto já selecionado. Logo no primeiro programa, dois “finalistas” pelo júri saíram após a votação da plateia.

Leo Chaves se destacou na bancada. O cantor surgiu no ponto certo. Por outro lado, a “rouge” Aline estava eufórica demais. Bôscoli deve incorporar a imagem de rigoroso nas avaliações.

Porém, o maior entrave nesta estreia do “The Four Brasil” ocorreu na escolha musical dos “calouros”. Canções em inglês dominaram, quase por completo, o espaço. Somente uma cantora interpretou uma música do cancioneiro brasileiro. E foi rejeitada pelo júri. Esse é um velho problema que marca os correlatos The Voice Brasil, Ídolos, Canta Comigo, X Factor e afins. Os desafiantes deveriam valorizar a música popular brasileira.

Xuxa aparece formatada. Saiu do Dancing Brasil e apresenta a mesma postura na nova aposta da Record.

“The Four Brasil” é mais um formato importado que aparece na televisão brasileira. “Canta Comigo”, mesmo com ressalvas, é mais interessante.

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Silvio Santos enfrenta pensamento fixo em dominical



Olá, internautas

O tradicional “Programa Silvio Santos” continua sendo um dos programas mais assistidos no SBT. Porém, nas recentes edições, um fato chamou a atenção do telespectador.

O animador, a todo momento, solta a expressão “Vamos falar sobre sexo”. Eis que saca fichas. Colegas de auditório e convidados tiram uma delas com uma pergunta. As mais apimentadas ficam no cochicho. Outras mais “leves” vão ao ar.

Silvio nem “perdoa” sua filha Patricia Abravanel que foge do interrogatório. Momento constrangedor.

Parece que o animador vive com esse pensamento fixo. “Vamos falar sobre sexo”. “Vamos falar sobre sexo”. “Vamos falar sobre sexo”. “Vamos falar sobre sexo”. “Vamos falar sobre sexo”. É no Jogo das Três Pistas. Jogo dos Pontinhos. E também na interação com as colegas de trabalho. Fora que esse discurso foge da linha do dominical.  

Está exagerado.

Fabio Maksymczuk

domingo, 3 de fevereiro de 2019

Enredo fraco compromete estreia de "Verão 90"


Olá, internautas

Nesta terça-feira (29/01), a TV Globo estreou “Verão 90”. A emissora quebra o hábito do telespectador ao iniciar uma nova produção em um dia qualquer da semana e não mais às segundas-feiras. Desta vez, cortaram até a reprise do último capítulo de “O Tempo Não Para”. Outro adendo: após o último suspiro da novela de Dom Sabino e companhia, ocorreu imediatamente a apresentação da nova produção. Isso quebra todo o clima do desfecho da trama. E isso agora acontece em todas as novelas de uns tempos para cá.

O primeiro capítulo explorou a infância de Manuzita, João e Jerônimo que formavam o Patotinha Mágica. Tudo muito corrido para desaguar logo na fase dos 20 e poucos anos dos personagens centrais. Nesta abertura, um fato chamou a atenção.

O trio cantou em um show no Maracanã com Beto Barbosa que interpretou “Adocica”, lançada em 1988. Desse modo, com a passagem do tempo, o trio estaria em 1999. Seria isso? Não. De acordo com a trama, eles estão em 1990. Erro.  

O enredo, até aqui, explora a dicotomia dos irmãos Guerreiro. Um bonzinho e outro mau. Entre eles, a doce mocinha interpretada por Isabelle Drummond. Jerônimo guarda uma profunda mágoa pelo término do grupo. Porém, esse fato passou voando na estreia.

Claudia Raia interpreta Lidiane. A atriz, que é símbolo das novelas das sete, relembra outros trabalhos da faixa horária. A interpretação “histriônica” resgata outras personagens que já passaram pelo vídeo. O mesmo acontece com Humberto Martins que vive Herculano. O ator parece interpretar sempre o mesmo personagem em diferentes novelas.

Além do enredo que não traz grande fôlego logo na primeira semana, a produção aparece como outro entrave. Extremamente simplista, cenários, figurinos e o estilo de gravação, que relembrariam as produções dos anos 90, causam um empobrecimento visual em plena era da TV digital.
“Verão 90” começou sem grandes expectativas.

Fabio Maksymczuk   

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

"Mulheres" vive turbulência na TV Gazeta



Olá, internautas

O tradicional “Mulheres” enfrenta turbulência na TV Gazeta. As “placas tectônicas” remexeram com o afastamento da Tia (Guilherme Uzeda). Regina Volpato, para explicar a situação, leu uma “cartinha” da personagem que informava da sua repentina mudança para o “Revista da Cidade”. Seria algo provisório. Apenas nas férias. Em um intercâmbio, o jornalista Gabriel Perline saiu dos domínios de Regiane Tápias e desembarcou na atração de Regina por alguns dias.

Uma rebelião surgiu nas redes sociais. Muitos telespectadores responsabilizaram Volpato pela saída da personagem do programa. E a situação degringolou de vez com o comunicado de Uzeda em seu perfil no Instagram. “Por gratidão e respeito a todos vcs meus amigos e fãs, comunico que esse ciclo infelizmente se encerrou hoje pelo meu desejo e por entender também que as divergências artísticas estavam tirando a espontaneidade e alegria da personagem”, disparou.

Uma avalanche de comentários negativos surgiu no perfil de Regina. Dicesar também não escapou. Durante o anúncio da migração da Tia, a apresentadora destacou que o maquiador tinha entrado de férias por uma semana. Ledo engano. O ex-BBB anunciou, em um vídeo disponibilizado no Instagram, que agora trabalha apenas com o “noticiário de celebridades” em programas de rádio e no “A Tarde É Show” de Nani Venâncio, na Rede Brasil, às sextas-feiras.

“Tia” atacou o então colega na rede social.  A seguidora Clelia Larosa publicou: “Dicesar é um lobo em pele de Cordeiro, mais olha depois que soltaram os bambus nesses programas de dona de casa.....Eles só tumultuam.....isso não dá ibope...”. Eis que a Tia respondeu: “@clelia.larosa obrigado. Vc notou bem, é isso mesmo. Plantou uma fofoca mentirosa. Bjos”.

a seguidora Catarina Eunice escreveu: “Sem vc tia e sem o Dicesar que me perdoe os outros, mais o programa ficou muito mais muito sem graça e qdo fica sem graça o que a gente faz? Pede pra voltar..”. Resposta da Tia: “@catarina.eunice desconfie desse. Plantou uma fofoca maldosa. #ficaadica”. Diante do imbróglio, Dicesar tornou sua conta privada no Instagram.

Diante do “tititi”, Regina se pronunciou nesta semana. Ao lado de Fefito, Regina enfatizou que foi uma decisão da própria Tia em sair da atração. “É traço da minha personalidade a prudência e a calma. Na minha opinião, é questão de respeito não discutir e não julgar as decisões alheias. Sou assim não só no programa, mas na vida, e o tempo se encarrega de tudo revelar e tudo acomodar”, frisou.

Era nítido para o telespectador que a Tia tinha um melhor entrosamento com Catia Fonseca e Regiane Tápias em detrimento a Regina Volpato. As duas apresentadoras passam um ar mais leve no vídeo. Regina é uma jornalista que traz mais seriedade ao feminino. A apresentadora até já comentou que não é fã número um do noticiário de celebridades. Por isso mesmo, essa editoria diminuiu consideravelmente no Mulheres desde a sua entrada.

“Mulheres” é uma marca de credibilidade. É um programa que integra a história da TV brasileira. Esses burburinhos poderiam ter sido minimizados.

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Balanço final com pontos positivos e negativos de "O Tempo Não Para"


Olá, internautas

Nesta segunda-feira (28/01), a TV Globo exibiu o último capítulo de “O Tempo Não Para”. A novela de Mario Teixeira teve um início arrebatador. Envolveu o telespectador com a história dos congelados vindos do século XIX. Apesar disso, a trama perdeu fôlego em seu desenvolvimento e “parou” na última terça parte da obra.

As histórias paralelas naufragaram. Diversos personagens desapareceram. O autor concentrou os seus esforços no núcleo central, o que inviabilizou a irrigação dos núcleos paralelos para os protagonistas. O ritmo ficou truncado.

Consequência: os índices de audiência, que começaram em alta, decaíram até o fim. Uma pena. Mesmo assim, o saldo de “O Tempo Não Para” é positivo. O argumento da novela das sete trouxe novidade para a faixa horária. E isso é bom. A seguir, o nosso tradicional balanço com os pontos positivos e negativos.



PONTOS POSITIVOS

Edson Celulari (Dom Sabino): o ator sobressaiu em “O Tempo Não Para”. Dom Sabino foi o personagem mais bem trabalhado na novela das sete. O ator demonstrou força com sua interpretação magistral. O patriarca da família entrou na galeria de personagens inesquecíveis da teledramaturgia brasileira.

Juliana Paiva (Marocas): a atriz foi muito feliz ao interpretar uma mocinha do século XIX em uma trama ambientada no século XXI. Além disso, Juliana conquistou uma ótima parceria com Nicolas Prattes que interpretou Samuca.  Um casal que caiu no gosto popular.

Maria Eduarda de Carvalho (Miss Celine): a atriz também chamou a atenção do telespectador com os dilemas da professora que trouxe discussões interessantes sobre a educação dos tempos atuais. Maria Eduarda passou um toque especial e características singulares à personagem. Miss Celine, também sou contra os anglicismos.  

Questão negra: a novela foi muito feliz ao abordar a temática da escravidão no século XIX e o posicionamento dos negros neste novo milênio.  

Rosi Campos (Dona Agustina): a atriz viveu um bom momento em sua extensa carreira ao interpretar a “carola” Dona Agustina.



Lucy Ramos (Vanda): a atriz ganhou força em “O Tempo Não Para” ao interpretar a advogada Vanda. Uma mulher negra e empoderada. A personagem fugiu dos velhos estereótipos que marcam muitas negras nas telenovelas. Um passo adiante foi dado com a bela atuação de Lucy.

Milton Gonçalves (Eliseu): o veterano ator é outro ponto positivo de “O Tempo Não Para”. Gonçalves passou toda a sua experiência em um elenco recheado de jovens atores. Um pilar de sustentação da novela.

Bruno Montaleone (Bento): o ator emendou um trabalho ao outro em “O Tempo Não Para”. Trouxe nenhum vestígio de sua participação em “O Outro Lado do Paraíso”. Interpretou, de uma forma bem-humorada, o intrépido Bento.

Olivia Araújo (Cesaria): outra atriz que aproveitou a oportunidade na novela das sete da TV Globo. Interpretou Cesaria, uma das mais queridas personagens da trama. Suas caras e bocas em diferentes situações marcaram sua passagem na produção.

Ingrid Klug (Belém): a atriz aproveitou a oportunidade ao interpretar a advogada e sócia do escritório de Emilio (João Baldasserini). Em todas as suas participações, Ingrid demonstrou solidez em cena.



PONTOS NEGATIVOS

Luiz Fernando Guimarães (Amadeu): o ator destoou, desde o início, da trama. A atuação do ator, que interpretou o então milionário Amadeu, provocou rejeição. Por isso mesmo, o sumiço do personagem não fez falta à história.

Rafaela Mandelli (Helen): a atriz foi subaproveitada em “O Tempo Não Para”. Sua personagem, literalmente, desapareceu da novela durante muitos capítulos. Reapareceu com falas breves apenas nesta reta final.  

Marcos Pasquim (Marino): o ator foi símbolo das novelas das sete da TV Globo na década passada. Apesar disso, passou totalmente despercebido em “O Tempo Não Para”. Marino acrescentou em nada à trama. Pasquim deveria ser mais valorizado pela TV Globo.

Wagner Santisteban (Pedro Parede): desde o início, o jornalista ficou solto em todo o enredo de “O Tempo Não Para”. Do início ao fim. Acrescentou em nada na história.  

Adriane Galisteu (Zelda Larocque): Adriane desapareceu da novela em sua metade final. A personagem foi engolida pelo “poc” Igor (Leo Bahia). Zelda reapareceu sem brilho algum no último capítulo. A personagem foi congelada.

Fabio Maksymczuk

domingo, 27 de janeiro de 2019

"Malhação: Vidas Brasileiras" aborda tema delicado



Olá, internautas

Nos mais recentes capítulos, “Malhação: Vidas Brasileiras” chamou a atenção do telespectador ao abordar um tema delicadíssimo que passa despercebido nos portais de notícias e páginas dos jornais: assédio sexual que ocorre nas categorias de base nos clubes de futebol.

A trama juvenil da TV Globo abordou o assunto, através do personagem Santiago, interpretado por Giovanni Dopico. O jovem enfrentou o “processo seletivo” com o treinador Bryan (Diogo Monteiro) em um Centro de Treinamento. Para facilitar os trâmites, o “professor” gostaria de um contato mais físico com o rapaz....  

“Malhação: Vidas Brasileiras” alertou os telespectadores sobre o episódio que ainda contou com o depoimento do eterno craque Zico. Ele incentivou a denúncia desses casos. Nesta oportunidade, o ex-jogador lançou a campanha #ChegadeAbuso A produção cumpre a sua missão em conscientizar o público mais jovem.

Nesta temporada de Malhação, Santiago vive um relacionamento amoroso com Michael (Pedro Vinicius). Em 23 anos da produção da TV Globo, o casal foi responsável pelo primeiro beijo entre dois rapazes. Na realidade, foi uma “bitoca”, mas transformou-se em um marco.  

Mesmo não sendo uma das edições de maior sucesso nos índices de audiência e de repercussão, “Malhação: Vidas Brasileiras” cumpre o seu objetivo ao trazer maior conscientização.  

Fabio Maksymczuk

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

LUTO: Morre Caio Junqueira



Olá, internautas

Nesta semana, um fato chocou os telespectadores e a comunidade artística. Caio Junqueira, após um grave acidente automobilístico, faleceu aos 42 anos. O ator integrava o primeiro escalão do elenco da Record TV. Sempre muito presente nas produções da casa.

O noticiário, no geral, sintetizou Junqueira como o “ator do filme Tropa de Elite”. Ledo engano. Ele tinha uma série de trabalhos em novelas e minisséries que integram a história da TV brasileira.

Para mim, o trabalho mais marcante do ator ocorreu na novela “Ribeirão do Tempo”. Ele interpretou o protagonista Joca ao lado da atriz Bianca Rinaldi que vivia a “ricaça” Arminda. No balanço final da novela de Marcilio Moraes, escrevi na época no meu blog, hospedado no UOL, sobre o desempenho do ator:  “Pontos positivos - Caio Junqueira: o ator foi bem ao interpretar o herói paspalhão Joca. Foi proposital a escolha de um ator não galã para o papel principal da novela. Ele conseguiu passar carisma ao personagem que foi o único linear do início ao fim”.

Caio ainda brilhou na série “Milagres de Jesus” ao viver o apóstolo Pedro. Também se destacou no remake de “A Escrava Isaura” que abriu o melhor momento da Record TV na teledramaturgia com o mote “A caminho da liderança”. Ele interpretou Geraldo Villela, irmão da personagem interpretada por Renata Dominguez.

“Que sorte a minha ter tido o Caio ao meu lado, como meu irmão na ficção, em um dos períodos mais frágeis da minha vida!! Fiz a novela #AEscravaIsaura inteira com o transtorno da Síndrome do Pânico. Ser humano único esse... discreto, talentosíssimo, querido, carismático, simples, parceiro pra caramba em cena e fora de cena”, publicou a atriz em seu perfil no Instagram.

Caio construiu sua carreira com a premissa de ser um trabalhador da arte, ao contrário de alguns colegas de profissão que ostentam sua vida pessoal em revistas de celebridades e redes sociais, atrás de likes.

Caio Junqueira, meu eterno Joca, descanse em paz. Minhas sinceras condolências a amigos, familiares e fãs do ator.

Fabio Maksymczuk

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

"BBB19" estreia sem empolgação



Olá, internautas

A TV Globo estreou, na última semana, a décima nona edição do “Big Brother Brasil”. O reality de maior audiência da TV brasileira enfrenta o desgaste do formato, fenômeno que corrói a estrutura do programa desde a décima temporada. No ano passado, o quadro se reverteu com uma das melhores edições da história da atração.

Nestes primeiros capítulos, o ronco se transformou na grande celeuma do grupo. Rodrigo virou alvo dos comentários da casa. A partir daí, iniciou uma linha mestra que pode caracterizar o “BBB19”: o conflito entre negros e brancos. A “loira” Isabella alvejou o carioca, mas “passou a mão” no doutor Gustavo que também enfrenta o mesmo mal do afrodescendente.  

Antes da estreia, Danrley já conquistou a simpatia do público pela sua história de vida. É um carioca batalhador. Morador da Rocinha, comunidade carente do Rio de Janeiro, luta para ser professor. Aos finais de semana, vende picolé nas praias. Porém, até aqui, apresenta uma atuação discreta.

Outros personagens ganharam destaque neste início. Doutor Gustavo personifica a imagem de “o jogador”. Postura semelhante ao Rafael Ilha na mais recente edição de A Fazenda. Os médicos sempre deixam sua marca no reality, vide Dr. Rogério, Dr. Marcos Harter e Dr. Marcelo Arantes.

Gabriela personifica a mulher negra e lésbica. Apresenta personalidade forte. Hana incorpora os dilemas de uma vegana no confinamento. Chamou a atenção. Maycon é o mineiro estereotipado. Até vende queijos nas ruas de São Paulo. Porém, a personalidade “abobada” deve ser um entrave para sua permanência no jogo. Paula é outra mineira que deve angariar uma taxa expressiva de rejeição. O tom de voz da sister é irritante.  

Vinicius foi o primeiro eliminado pela votação popular. Tinha uma personalidade irreverente. Agora há pouco, a TV Globo comunicou oficialmente a exclusão do acriano Vanderson diante de problemas judiciais. Na página oficial do BBB, até já excluíram a foto do ex-brother no topo reservado ao elenco. Sem vestígios. Vinicius está cinza.

A primeira semana do “BBB19” não envolveu o telespectador.

Fabio Maksymczuk   

domingo, 20 de janeiro de 2019

Tatá Werneck imprime identidade própria em talk show



Olá, internautas

A TV brasileira conta com uma série de talk shows. Muitos parecidos entre si. O formato implantado por Jô Soares no SBT persiste. Um bate-papo rodeado por uma banda serve como referência até hoje. E até aqui, todos comandados por homens (brancos).

Eis que o Multishow inovou ao apostar em uma mulher para liderar um programa de entrevistas na faixa noturna. Tatá Werneck comanda o “Lady Night” que ganhou espaço na TV Globo na última quinta-feira (17/01). Muito interessante essa troca entre os canais do Grupo Globo.

Além de ser comandado por uma mulher, o “Lady Night” tem o mérito de envolver o entrevistado em brincadeiras que, de certa forma, o desconstroem no palco. Isso aconteceu com Cauã Reymond, sempre com uma imagem muito séria nos programas correlatos.

O ator entrou no clima de gozação de Tatá ao incorporar a verve das novelas mexicanas em suas respostas, criar um clima “intimista” com a entrevistadora e cantarolar uma paródia no encerramento do talk show. “Lady Night” foge das perguntas de sempre e das respostas de sempre.

É verdade que Tatá apresenta uma dicção acelerada que, em muitos momentos, fica incompreensível no vídeo. Porém, isso não tira o mérito da comediante abrir um caminho para outras colegas também serem alçadas ao posto.

“Lady Night” conquista uma identidade própria. E isso é ótimo.

Fabio Maksymczuk  

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Sátira política entra na veia da estreia do "Tá no Ar 6"



Olá, internautas

Nesta terça-feira (15/01), a TV Globo estreou a sexta temporada do “Tá no Ar: a TV na TV”. O melhor humorístico da TV brasileira chega a sua última edição. Neste primeiro episódio, Marcelo Adnet roubou a cena, especialmente com a Vila Militar do Chaves.

A sátira política entrou na veia do programa. Chaves anunciou que o Capitão é o novo dono da Vila. “Ele não”, disparou Chiquinha. Eis que Adnet entra com a entonação do presidente Jair Bolsonaro. Sua primeira medida é a cobrança dos 14 meses de aluguel. Seu Madruga replicou que está desempregado. “Desempregado? VA GA BUB DO”, bradou o capitão com vestimenta verde-oliva.  “Eu já me arrependo de ter gritado Fora, Seu Barriga”, despediu-se o pai de Chiquinha.

Chaves também foi retirado aos gritos de VA GA BUN DO. “Acabou o Bola barril”, bradou o capitão. Posteriormente, o personagem de Adnet enfatizou que a família de Dona Florinda é desajustada por ela ser viúva. Criticou o avental azul. “Por isso, esse menino é todo afeminado”, comentou sobre Quico.  

Nos momentos finais, entra Girafales que também ouve os gritos de VA GA BUN DO por ser professor. “Provavelmente ensinando nesta escola ideologia de gênero, Kit Gay, darwinismo. Pode levar todo mundo preso”, sentenciou o capitão.

Por fim, ele visitaria a Vila do Paulo Gustavo para destruir a ditadura gayzista. Neste momento, ele solicitou um motorista cedido por seu filho...

Em 3 minutos e 30 segundos, o quadro do “Tá no Ar” sintetizou os símbolos do atual mandatário do Palácio do Planalto. Texto brilhante. Adnet reafirmou ser um dos melhores humoristas de sua geração. Crítica ácida. É o chamado humor inteligente.

“Tá no Ar: a TV na TV” é um marco da programação da TV brasileira nesta segunda década do segundo milênio.

Fabio Maksymczuk