Páginas

quinta-feira, 15 de abril de 2021

"Me Poupe! Show" estreia na superficialidade da educação financeira

 

Olá, internautas

Nesta terça-feira (14/04), a RedeTV! estreou “Me Poupe! Show”. Nathalia Arcuri reaparece na TV aberta após sua breve passagem na Band. A apresentadora, mais uma vez, tentará ressaltar a importância da educação financeira aos telespectadores.

Antes da exibição do primeiro programa na emissora de Dallevo e Carvalho, Nathalia participou de uma live na internet. Durante o bate-papo com os internautas, ressaltou que a nova atração tem uma meta clara pela frente: alcançar 3 pontos nos índices de audiência. Caso não consiga atingir tal objetivo, “Me Poupe! Show” sairá do ar até o final do ano. A meta é ousadíssima. A emissora raramente atinge tal patamar.

A edição dos quadros marcou a estreia. Não foi linear. “Foi Mau” também adotou o mesmo estilo. A entrevista com o ex-boxeador Popó serviu como linha-mestra, mas foi inserida com outros quadros, como a medição de um conflito entre duas amigas. Uma delas emprestou cerca de 2 mil reais para a outra que até hoje não pagou a dívida. A apresentadora conseguiu que a outra parte deixasse de cobrar 10% de juros no montante final, desde que a devedora consiga pagar à vista em 30 dias. O programa acompanhará o caso.

Cenas de filmes e animações entraram dentro da edição. Essa tendência iniciou, basicamente, com o “Pânico na TV”. Traz um ar mais jovial e irreverente em um programa que poderia se tornar sisudo ao abordar economia. Porém, Nathalia não aprofunda e esmiúça a educação financeira em si.

Cita, por exemplo, que os fundos imobiliários podem ser uma boa opção aos aluguéis. Fica nesta frase. Quais fundos? Não ocorre aprofundamento das ideias lançadas. A entrevista com o casal Susana Werner e Julio Cesar acrescentou nada ao público. A esposa do ex-goleiro da seleção brasileira disse que tem uma franquia de beleza em Portugal. Ressaltou que ganhou mais renda com a pandemia, mas não explicitou como fez isso com argumentos concretos. O brasileiro comum não tem a grife do casal para alavancar seus negócios. 

Nathalia iniciou o programa com uma bronca no telespectador que poderia trocar de canal para acompanhar o paredão do BBB. A apresentadora indagou se o público vai assistir alguém ganhar um milhão e meio de reais ou prefere se tornar um novo milionário. Porém, o programa nada acrescentou, de concreto, nos conhecimentos do público. Como se tornar um milionário? Quais os passos concretos? Quais investimentos? Ficou no ar.

Na realidade, o momento que mais chamou a atenção nesta estreia foi a declaração “Popó é um poço de merda” diante das “cagadas financeiras” do pugilista. Desnecessário.

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 13 de abril de 2021

Mauricio Meirelles quebra hábito de telespectador da RedeTV!

 

Olá, internautas

A partir desta segunda-feira (12/04), a RedeTV! lança uma série de novidades em sua programação. O canal tenta sair do marasmo nos índices de audiência. Dentro desse pacote, aparece “Foi Mau”, sob comando de Mauricio Meirelles, que ocupou a vaga do “SuperPop” às segundas-feiras, na faixa entre 22h30 às 23h30.

É uma quebra visceral no hábito do telespectador da emissora. Há 20 anos, La Gimenez comandava a sua tradicional atração neste dia da semana. Mauricio Meirelles enfrentará esse desafio. Suceder uma das maiores marcas do canal.

“Foi Mau” tem uma proposta bem diferente do “SuperPop” e, por consequência, um público distinto. O comediante terá que buscar esse novo telespectador para a emissora. Trabalho de formiguinha. Levará tempo.

A nova aposta da RedeTV! iniciou com um bom programa de estreia. Apresentou uma edição que mesclou gravações distintas. Um mosaico formado por trechos de entrevistas de Luiza Ambiel, Ivan Moré, revelações de porteiros, Top 5 com “momentos marcantes” de João Kleber e idosos na quarentena, entre outros quadros.

A abordagem sobre as redes sociais ganhou tônica. O melhor momento ocorreu no quadro webbullying. Meirelles invadiu o celular de Ambiel e publicou impropérios que até repercutiram como verdades na imprensa, como o “namoro” da ex-fazenda com o pai de Anitta.

É um programa de humor com edição ágil e acelerada direcionada ao público mais jovem. “Foi Mau” poderia ganhar uma reprise em horário alternativo. A faixa que antecede o “Encrenca” valeria tal experiência. 19 horas aos domingos.

Fabio Maksymczuk

sábado, 10 de abril de 2021

"Amor de Mãe" termina com pontos positivos e negativos

 

Olá, internautas

Nesta sexta-feira (09/04), “Amor de Mãe” chegou ao seu derradeiro último capítulo. A novela das nove da TV Globo enfrentou a eclosão da pandemia do novo Coronavírus, exatamente no momento em que entrava em seu auge.

A trama de Manuela Dias jamais “bombou” nos índices de audiência. Ficou ao redor dos 33 pontos. Mesmo com os capítulos inéditos da “temporada final”, a novela não atingiu os recordes das reprises de “Fina Estampa” e “A Força do Querer” com seus 38 e 39 pontos, respectivamente.

“Amor de Mãe” tinha uma embalagem de série. A estética impressa pelo diretor artístico e geral de José Luiz Villamarim marcava o enredo essencialmente tradicional da autora. A mãe em busca de seu filho é um dos principais ingredientes do velho folhetim, desde os tempos de “O Direito de Nascer”. Portanto, não é um texto revolucionário, como alguns defendem. “Amor de Mãe” se encaixa mais como um novelão com entraves, desde a primeira fase.  

A seguir, o tradicional balanço com os pontos positivos e negativos.

PONTOS POSITIVOS

Regina Casé (Lurdes): “Amor de Mãe” sempre será lembrada como a novela de Dona Lurdes. Personagem mais bem trabalhada de toda a obra com a excelente interpretação de Regina Casé. A telespectadora, em diversos momentos, se viu refletida na heroína. O público aguardou cerca de um ano para ouvir: Danilo é Domênico!

Adriana Esteves (Thelma): a atriz superou o desafio de incorporar uma mãe intensa que ultrapassou todos os limites éticos e morais para sustentar a relação com o seu filho Danilo (Chay Suede). Brilhante.

Chay Suede (Danilo/Domênico): o ator se destacou ao interpretar o filho criado em uma redoma por Thelma. A cena de Danilo no leito da morte de sua mãe, levada ao ar neste último capítulo, coroou o seu ótimo momento.  

Irandhir Santos (Álvaro): o ator transmitiu toda a sua versatilidade ao encarnar o vilão-mor de “Amor de Mãe”. Ótimo trabalho.

Humberto Carrão (Sandro): o ator se destacou no elenco de “Amor de Mãe”. Soube transmutar as fases de “marginal” à herdeiro da fortuna de Raul (Murilo Benicio), seu pai milionário.

PONTOS NEGATIVOS

Ritmo da primeira fase: já na primeira fase, “Amor de Mãe” enfrentava seus percalços. Capítulos com o ritmo extremamente cadenciado. Esticados. Sem ação alguma. Diálogos que rodeavam e chegavam a lugar algum. De repente, Thelma (Adriana Esteves) se transformou em uma verdadeira vilã. O público nutria carinho pela mãe de Danilo, já que, a qualquer momento, morreria por conta de seu aneurisma. Tinha até uma lista de últimos desejos. 

Temporada final: a vilania sufocou o telespectador na “temporada final”. As maldades de Álvaro (Irandhir Santos) se aglutinaram com o “desespero” de Thelma. Os personagens ao redor foram vítimas das maldades impostas pela dupla. Mortes, assassinatos, agressões físicas e doenças graves em sequência. Para dar um desfecho à obra, diante das limitações nas gravações, Manuela Dias pesou a mão.

Excesso de sofrimento: Algumas histórias poderiam ter sido omitidas nesta retomada, como o surgimento da mãe biológica de Tiago (Pedro Guilherme Rodrigues). Ficou raso e superficial o embate com a mãe adotiva Vitória (Tais Araújo) pela guarda do filho. A questão da violência doméstica sofrida por Edilene (Beatrice Sayd) é outro ponto controverso. Isso gerou cenas desconfortáveis, como a permissão da entrada do agressor no carro da advogada renomada em pleno trânsito. Enredo mal trabalhado. Há ainda o caso da mãe de Vitória, Vera Amorim (Eliane Giardini), com câncer. História desnecessária no conjunto da obra.

Visual de Danilo (Chay Suede): Danilo ressurgiu com a aparência de galã na temporada final. Deixou os óculos de lado. Tirou a barba. Ostentava tatuagens. Visual que não ornou com as características do personagem.

Pandemia: com a interrupção da novela, diante da eclosão do novo Coronavírus, a autora Manuela Dias e seus colaboradores Mariana Mesquita, Roberto Vitorino e Walter Daguerre enfrentaram um enorme desafio para a “temporada final”. A equipe teve que condensar histórias em pouco mais de 20 capítulos. Diante de tal fato, muitos personagens foram sacrificados na retomada, como Davi Moretti (Vladimir Brichta), Erica (Nanda Costa), Ryan (Thiago Martins), Marina (Erika Januza), Betina (Isis Valverde) e Durval (Enrique Diaz).

MENSAGEM FINAL

É válido salientar o esforço de toda a equipe de autores, direção e produção para encerrar a novela com dignidade em um momento tão difícil para o setor de entretenimento do nosso País.

Fabio Maksymczuk

quinta-feira, 8 de abril de 2021

Jornalistas esportivos merecem mais espaço na Band


Olá, internautas

O noticiário futebolístico ainda é marcante na programação da Band, especialmente com as três horas diárias do “Jogo Aberto” e “Os Donos da Bola”.

Na atração do craque Neto, uma discussão recente chamou a atenção do telespectador. O ex-goleiro Velloso e o ex-atacante Edilson trocaram farpas ao vivo. O apresentador até tentou mediar o conflito, mas os ânimos dos colegas estavam exaltados. Os dois discordaram sobre a função dos goleiros nos gramados durante os anos 90 e a importância de Capetinha na Copa de 2002.

Desde então, havia uma tensão evidente no ar. Eis que Edilson, neste ano, foi remanejado para o “Jogo Aberto” que antecede na programação. Saiu da equipe liderada por Neto. Velloso ganhou a companhia de outro ex-jogador, Souza, que se destacou no São Paulo.

Com o imbróglio, mais um ex-futebolista ganha espaço na grade diária da Band. Na realidade, a emissora do Morumbi deveria valorizar os jovens jornalistas esportivos. Profissionais formados para exercer tal função. Com tal medida, a renovação dos quadros da imprensa esportiva do canal ganharia impulso.  

Desde a sua entrada em “Os Donos da Bola”, Edilson transmite ar desagregador no vídeo. Ao invés de valorizar repercussão pelas falas polêmicas, a Band deveria se apoiar na credibilidade de seus profissionais.

Denilson funciona ao lado de Renata Fan. Neto brilha no comando de sua atração. Porém, rechear as duas atrações com ex-jogadores não surge como melhor caminho. É necessário criar um contrapeso nesta balança.

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 6 de abril de 2021

"BBB21" espraia com novo programa na TV Globo

 

Olá, internautas

Nesta segunda-feira (05/04), a TV Globo remexeu a grade vespertina. A emissora platinada ampliou a presença do “BBB21” em sua programação com o “Plantão BBB”. A nova atração comandada pela ex-BBB, Ana Clara, que se destacou na décima oitava edição do reality, desbrava os recentes acontecimentos da “casa mais vigiada do Brasil”.

O “Jornal Hoje”, que foi estendido durante a cobertura da pandemia do novo Coronavírus, perde quinze minutos. Com o encerramento do “Se Joga” diário, o telejornal teve que ampliar o número de reportagens para ocupar o vácuo. Com tal estratégia, a TV Globo reverteu a tendência de perder a sua tradicional liderança para a Record TV.

“Plantão BBB” surge com essa missão de diminuir o buraco deixado pelo programa liderado por Fernanda Gentil. Ana Clara media o debate com comentaristas fixos e convidados. Na estreia, a atração contou com Tia Má e Silvero Pereira. Já nesta terça, Ana Clara mediou o bate-papo com Marcelo Adnet e Babu Santana.

Durante a sua participação, o ator, que se destacou no ano passado por falar sobre racismo dentro do confinamento, liderou o movimento Fora Rodolffo, diante das falas do polêmico cantor sobre o cabelo do professor João Luiz.  

Ana Clara, ainda sem maturidade suficiente, demonstrou maior segurança na apresentação do “Plantão BBB” nesta terça. O reality espraia ainda mais na programação. Ana Maria Braga e Fátima Bernardes angariam maiores índices de audiência com a cobertura do reality. A nova aposta entra neste contexto.   

Em tempos de pandemia, a TV Globo encontrou esse atalho para oferecer conteúdo inédito de entretenimento ao telespectador. “Big Brother Brasil” se transformou em um pilar de sustentação nestes tempos tão difíceis.

Fabio Maksymczuk

sábado, 3 de abril de 2021

Band acerta em iniciativa durante pandemia


Olá, internautas

No último domingo (28/03), “Domingo Espetacular” exibiu uma reportagem interessante de Roberto Cabrini sobre a queda acentuada de doações de alimentos, aos mais necessitados, durante a segunda onda da pandemia da Covid-19 que desola o nosso País.  O jornalista desbravou o descalabro que ocorre nas grandes comunidades de São Paulo, Heliópolis e Paraisópolis.

Durante o ‘Brasil Urgente”, diariamente, José Luiz Datena também apresenta as dificuldades encontradas pelas famílias brasileiras, diante do aumento acelerado dos preços dos produtos que compõem a cesta básica atrelado à redução do auxílio emergencial. O apresentador esmiúça o mesmo panorama traçado por Cabrini na Record. Caco Barcellos também focou o mesmo dilema em uma edição recente do “Profissão Repórter”.

Para ajudar a amenizar tal situação, Datena promove a campanha “Band Abraço” dentro do seu noticiário, principalmente aos sábados. O aprsentador já ajudou a arrecadar mais de 20 milhões de reais em uma semana para combater a fome de milhões de brasileiros. A verba é direcionada às ONGs Mães da Favela da Central Única de Favelas (CUFA), Geraldo Falcões e Amigos do Bem. Neste sábado (03/04), a mensagem “A Band une forças para levar comida pelo Brasil” estourou na tela.

O Carrefour Brasil, através do seu presidente Stephane Engelhard, já doou mais de R$ 6,5 milhões. Datena para comemorar o feito até soltou a voz ao cantar “Você vai gostar” em homenagem a Sérgio Reis.

Neste momento difícil que o País atravessa, deveria ocorrer a proclamada “união nacional”. Todas as emissoras (Globo, Record e SBT, principalmente) deveriam reunir seus esforços para a promoção de campanhas beneficentes em prol dos brasileiros. O Grupo Bandeirantes apresenta a sua responsabilidade social. Congratulações.

Fabio Maksymczuk

quarta-feira, 31 de março de 2021

BBB alavanca Fátima Bernardes


Olá, internautas

Tradicionalmente, a novela das nove (ou das oito) funciona como carro-chefe da TV Globo. Porém, com a eclosão da pandemia no ano passado, o posto passou para o “Big Brother Brasil”, uma das poucas atrações inéditas de entretenimento na faixa noturna da programação. Diante disso, diversos programas de outras emissoras pegam carona no reality.

Já em território platinado, até Fátima Bernardes resolveu entrar na onda do “BBB”. A atração matinal até transformou em totens os participantes da vigésima primeira temporada. Ocupam o lugar da plateia.

Ao lado da jornalista Tati Machado, a apresentadora comenta as novidades da disputa entre brothers e sisters na casa mais vigiada do Brasil. Toda quarta-feira, quando Ana Maria Braga encerra a entrevista com o recém-eliminado do Big Brother Brasil, “Encontro” cola na atração da loira e esmiúça as falas do já ex-BBB.

Resultado: “Encontro” firma-se em um significativo patamar na audiência. Fica próximo ou atinge a casa dos dois dígitos. Durante a semana, atualmente, consegue registrar índices até superiores ao “Mais Você”, fato até então não corriqueiro.

“BBB” alavancou o matinal da TV Globo. Fátima Bernardes agradece.

Fabio Maksymczuk

domingo, 28 de março de 2021

Fórmula 1 reforça "Show do Esporte" na Band

 

Olá, internautas

No ano passado, a Band resgatou a faixa do “Show do Esporte” aos domingos. Diferente dos anos 90, o bloco comandado por Glenda Kozlowski e Elia Júnior sustenta basicamente no futebol. Sem os direitos dos principais campeonatos no Brasil, a emissora aposta em torneios futebolísticos internacionais, competições entre juvenis e também no futebol feminino. Não há uma grande variedade nas modalidades, exceto as partidas da NBA.

Diante de tal quadro, é louvável que o canal tenha adquirido os direitos de transmissão da Fórmula 1. Mesmo sem pilotos brasileiros, a principal categoria do automobilismo mundial possui ainda prestígio e fãs no Brasil.

Neste domingo (28/03), o canal promoveu uma intensa cobertura do primeiro GP da temporada 2021 realizado no Bahrein. Glenda e Elia ficaram na tela desde às 9 da manhã. A corrida, de fato, iniciou ao meio-dia, horário de Brasília. Neste aquecimento, entrevistaram, remotamente, Emerson Fittipaldi e Felipe Massa, além de Nelson e Nelsinho Piquet no estúdio. Sempre polêmico, o tricampeão mundial festejou que a transmissão ocorrerá agora na Band e não na “Globolixo”. Risadas nervosas ecoaram.   

O veterano Reginaldo Leme é um dos reforços da Band para a transmissão que conta com a narração de Sérgio Maurício, além da repórter Mariana Becker e comentários de Felipe Giaffone e Max Wilson.

Como sempre ressaltamos neste espaço, é louvável a quebra do monopólio nos direitos de transmissão de eventos esportivos até então dominado pelo Grupo Globo. Isso possibilita geração de empregos, maior competitividade e melhor democratização dos meios de comunicação.

A Band ganha prestígio com a Fórmula 1.

Fabio Maksymczuk  

quinta-feira, 25 de março de 2021

Capítulo importante de Mateus Carrieri fica esquecido no SuperPop

 

Olá, internautas

Nesta semana, o ator Mateus Carrieri participou do quadro “Palavra-Chave” no “Superpop”. Durante o bate-papo com Luciana Gimenez, o ex-fazendeiro revelou que sofreu ataques nas redes sociais por publicar uma foto onde aparecia com uma meia estampada por um arco-íris, ícone do movimento LGBTQIA+.

Os críticos argumentavam que o grisalho não tinha o “lugar de fala” e só buscava likes. Neste momento, diante de tal movimento, Carrieri revelou que é pai de duas meninas bissexuais. Gimenez indagou sobre a visão da figura paterna diante da situação. Ele relembrou falas de Gretchen sobre Thammy Miranda e se identifica com o discurso da “rainha do bumbum”.

Durante o bate-papo, nem Gimenez e nem o próprio Mateus destacaram um capítulo importante em seu vasto currículo de quase 50 anos no meio artístico. No final dos anos 90, Carrieri apresentou o histórico “Comando G” que até hoje, passados mais de 20 anos, ainda é uma das raras atrações voltadas especificamente ao público gay na TV aberta brasileira. A atração era exibida depois da meia-noite na TV Gazeta. Passava dicas de leitura, filmes e novidades a esse segmento, além de momentos de “sensualidade”.

No ano passado, a TV brasileira comemorou 70 anos. É importante deixar esse registro sobre esse capítulo da trajetória de Mateus Carrieri que ficou esquecido na atração da RedeTV!. Portanto, o ator possui, há muitos anos, esse “lugar de fala”.

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 23 de março de 2021

"Vem Pra Cá" estreia com perspectiva ruim

 

Olá, internautas

Nesta segunda-feira (22/03), o SBT estreou “Vem Pra Cá”. A nova revista eletrônica comandada por Patrícia Abravanel e Gabriel Cartolano é mais uma tentativa da emissora de Silvio Santos em investir no filão.

Há alguns anos, mais precisamente em 2008, “Olha Você” se transformou em um dos maiores fracassos da programação. Saiu do ar sem deixar vestígios. “Vem Pra Cá” é um matinal que ocupou parte da faixa do “Primeiro Impacto” e do “Bom Dia & Cia”. Foi encaixotado entre 9h30 às 11 horas.

A emissora investe na produção de uma atração própria em tempos tão difíceis. Ponto a ser destacado positivamente.  Em tempos de pandemia da Covid-19, o cenário entra neste contexto. Bastante amplo para valorizar o distanciamento social. Funciona no vídeo.

Apesar destas ponderações, “Vem Pra Cá” sinaliza uma perspectiva ruim. Patricia e Cartolano têm uma missão ingrata pela frente. Concorrer diretamente com Ana Maria Braga que já possui seu público consolidado há 20 anos, além de enfrentar o “Hoje em Dia” que também já conquistou seus telespectadores fidelizados. 

A nova aposta do SBT é uma mistura do próprio “Olha Você”, que já não funcionou 13 anos atrás, com “É de Casa”, da TV Globo, que é uma atração semanal. “Vem Pra Cá” aposta no receituário básico. Mistura culinária, moda, jardinagem e fofoca. Nesta terça (23/03), até resgatou imagens de arquivo de Hebe Camargo. Há também momentos que rementem ao “Notícias Impressionantes” com a indagação “é verdade ou fake?”. Nenhum tempero novo.

Além disso, a escolha da dupla de apresentadores também é questionável. Patricia terá a missão de demonstrar fôlego em uma atração diária. Nestes dois primeiros programas, surgiu com a verve “tagarela”. Falou demasiadamente. Nesta terça, contrastou com a elegância e o refinamento da atriz Thais Pacholek no vídeo. Cartolano, até aqui, ficou como coadjuvante. Uma espécie de assistente de palco e não como coapresentador.

“Vem Pra Cá” não empolgou.   

Fabio Maksymczuk

sábado, 20 de março de 2021

Confira pontos positivos e negativos de "Haja Coração"


Olá, internautas

Nesta sexta-feira (19/03), a TV Globo encerrou a edição especial de “Haja Coração”. A emissora colheu satisfatórios índices de audiência para uma novela já exibida na mesma faixa há pouco mais de quatro anos. Porém, a adaptação de Daniel Ortiz não ganhou expressiva repercussão, o que ocorreu com a reprise de “Totalmente Demais”. Foi uma escolha questionável. Teria sido melhor a escalação de “Ti Ti Ti” que será jogada na faixa das 17 horas.

Aproveitamos as reprises para resgatar o nosso arquivo de textos publicados no antigo espaço do UOL Blogs.  Portanto, republico o balanço final com os pontos positivos e negativos. 

________________

 

Positivo e negativo: Histórias paralelas salvam "Haja Coração" 

Olá, internautas

Nesta semana, chegou ao fim “Haja Coração”. A trama conseguiu manter o patamar de audiência alcançado pela antecessora “Totalmente Demais”. Sem a mesma repercussão, mas cumpriu a missão no IBOPE dentro do atual momento da TV brasileira.

Porém, em outro ângulo, “Haja Coração” foi muito inferior se comparada à novela “Sassaricando”, trama que serviu de base ao autor Daniel Ortiz. Eu lembro perfeitamente da novela das sete dos anos 80. Foi um estrondoso sucesso. Um marco da teledramaturgia da TV Globo. O elenco de “Sassaricando” também é muito superior. O último momento do último capítulo encontra-se registrado na minha memória. Todos em ritmo do “Sassarico”....Deslumbrante.

A direção escalou Mariana Ximenes para o enorme desafio de interpretar Tancinha. A atriz fez um trabalho correto, mas longe de roubar a cena da produção. E se comparar com Claudia Raia, a situação fica difícil. Na realidade, Monica Iozzi deveria ter encarado essa missão.  

Segue o nosso tradicional balanço com os pontos positivos e negativos.


PONTOS POSITIVOS

Sabrina Petraglia (Shirlei) e Marcos Pitombo (Felipe): a história paralela alavancou “Haja Coração”. Os telespectadores ficaram envolvidos com o casal da mocinha pobre deficiente física e o príncipe rico. Sabrina e Pitombo aproveitaram a oportunidade e conduziram a trama. Os coadjuvantes se transformaram em protagonistas. Não é o melhor trabalho do ator na TV. Até mesmo, na atual reprise de “Vidas em Jogo” na Record, Pitombo encontra-se em uma melhor fase. Porém, cumpriu a missão. Sabrina não é a maior destaque de sua geração, mas também seguiu o lema “missão dada, missão cumprida”.

Jayme Matarazzo (Giovanni) e Agatha Moreira (Camila): os dois formaram o segundo casal mais querido do telespectador. Jayme e Agatha sobressaíram na novela das sete. Agatha superou o desafio de encarar as fases distintas de Camila: malévola e boazinha. 

Grace Gianoukas (Teodora): a atriz viveu uma ótima fase de sua carreira em “Haja Coração”. Grace foi tão bem que o autor resolveu ressuscitar a personagem ao lado do “bonitão” Epaminondas (Guilherme Chelucci). Hilário! 

Cristina Pereira (Safira):  o telespectador matou a saudade com a participação da atriz na novela das sete da TV Globo. Obteve uma ótima parceria com Grace nos embates entre Safira e Teodora pelo “amor” do pescador. Em “Sassaricando”, a atriz mostrou todo o seu talento como Fedora. Atuação brilhante e inesquecível. Bela homenagem do autor ao resgatar Cristina para “Haja Coração”. 

João Baldasserini (Beto): oh, Beeetooo! Há muito tempo, o ator merecia mais espaço na teledramaturgia da TV Globo. Conquistou o carinho do telespectador na novela das sete. Daniel Ortiz errou feio no desfecho do personagem. Beto e Tancinha deveriam chegar ao final feliz.

Nando Rodrigues (Henrique): ator que evolui a cada trabalho na TV Globo.  Cumpriu muito bem a sua missão em “Haja Coração”.

 

PONTOS NEGATIVOS

Malvino Salvador (Apolo): em recentes trabalhos, o ator apostava no feijão com arroz, muitas vezes sem tempero, na interpretação. Não comprometia gravemente a novela. Porém, em “Haja Coração”, o ator viveu o seu pior momento da carreira. Em muitas cenas, Malvino não conseguiu passar a emoção para o personagem. Atuação bem superficial que comprometeu o melhor desenvolvimento do roteiro.  É um dos atores mais sobrevalorizados da Globo. Enquanto isso, por exemplo, Baldasserini ficava escondido. A escalação do elenco é um dos pontos nevrálgicos da emissora.

Tatá Werneck (Fedora): A atriz reforça a falta de versatilidade com o trabalho apresentado em “Haja Coração”. Emenda um trabalho ao outro com nuances de outros personagens. Valdirene continuou viva em Fedora.  

José Loreto (Adônis): outro ator sobrevalorizado na TV Globo. Também demonstra falta de versatilidade em sua interpretação. A emissora precisa urgentemente apostar em novos talentos. 

Cláudia Jimenez (Lucrécia): a atriz apareceu na novela? Só para saber.....

Falta do espírito de São Paulo: a novela teoricamente foi ambientada em São Paulo, mas o ar paulistano passou longe de “Haja Coração”. Uma das maiores diferenças com a original “Sassaricando”.

Abertura da novela: abertura totalmente sem criatividade. O que a canção entoada por Ivete Sangalo tem a ver com a novela? Poderia ser encaixada em qualquer produção da emissora. Sem identidade com a novela das sete.

Desfecho de Tancinha: erro colossal da Tancinha chegar ao fim com Apolo. Um presente para Malvino que, definitivamente, não merecia.

Fabio Maksymczuk

quinta-feira, 18 de março de 2021

Reprises evidenciam repetição de atores e atrizes na TV Globo

 

Olá, internautas

Com o recrudescimento da pandemia do novo Coronavírus, as reprises continuam a dominar a faixa das telenovelas da TV Globo em 2021. Um grande bloco do “Vale a Pena Ver de Novo”.

Com o retorno das tramas, a repetição de atores e atrizes ficou ainda mais perceptível no vídeo. Na faixa mais nobre da TV brasileira, Lilia Cabral aparecerá em três produções quase que consecutivamente (interrompida brevemente pela temporada final de Amor de Mãe). Protagonizou “Fina Estampa” com a marcante “Pereirão”, viveu Silvana em “A Força do Querer” e retornará na pele de Maria Marta Medeiros de Mendonça e Albuquerque em “Império”.

O mesmo fenômeno ocorre com Rafael Cardoso que aparecerá em quatro faixas horárias. O ator protagoniza, atualmente, “A Vida da Gente” com Rodrigo, ressurgirá como Renzo na inédita “Salve-se Quem Puder” e voltará como Vicente em “Império” e Jorgito em "Ti Ti Ti". Vale a Pena Ver de Novo, novelas das seis, das sete e das nove.

Juliana Paes, há pouco tempo, estava em “Totalmente Demais” e apareceu agora em “A Força do Querer”. Isis Valverde estava na novela da Gloria Perez, “emendou” com a inédita “Amor de Mãe” e ressurgirá na reprise de “Ti Ti Ti”. Caio Castro estava em “Fina Estampa” e “Novo Mundo”. Também aparecerá em “Ti Ti Ti”. E assim por diante.

Autores, diretores e produtores de elenco apostam nos mesmos rostos em diferentes faixas horárias. Não há uma espécie de “plano de carreira” que diversifique o elenco como um todo. Os protagonistas continuam como protagonistas. E os coadjuvantes permanecem como coadjuvantes. E há centenas (quiçá, milhares) de atores e atrizes talentosos desperdiçados. Diante de tal quadro, muitos desistem da profissão. Para reflexão.

Fabio Maksymczuk

segunda-feira, 15 de março de 2021

Mariana Godoy retorna para bancada na Record TV


Olá, internautas

Nos últimos anos, Mariana Godoy relutou para apresentar telejornais. A jornalista desejava alçar novos voos, principalmente na área do entretenimento. Comandou, com maestria, o “Mariana Godoy Entrevista”, uma das melhores atrações da programação da RedeTV!. Com a pandemia, o seu talk show saiu do ar. Mariana foi realocada para o “RedeTV News”.

Tal mudança teria sido uma das razões para a apresentadora desembarcar na Band. Nos territórios do Morumbi, ela comandaria um programa matinal diário. Projeto fracassado que mal saiu do papel. Foi jogada em uma atração semanal mal estruturada, o “Melhor Agora”. Saiu da emissora dos Saad.

Eis que de repente, Mariana Godoy é anunciada como novo reforço da Record TV para comandar a nova fase do “Fala Brasil” que já viveu tempos melhores nos índices de audiência. Conseguia alcançar a liderança com certa frequência. Ao lado de Sergio Aguiar, a jornalista retorna para a bancada.

Aliás, o mesmo fenômeno ocorreu com Celso Zucatelli que também tentou alçar voo no entretenimento e agora ressurge na Record TV como substituto dos apresentadores oficiais no Balanço Geral SP, Hoje em Dia e Cidade Alerta.  

O novo “Fala Brasil” é um telejornal que segue o formato clássico. Em alguns momentos, Mariana sai do roteiro para emitir algum breve comentário sobre o fato noticiado. Nada demais. Os índices de audiência não tiveram um sobressalto expressivo.

Na realidade, a emissora da Barra Funda poderia resgatar o formato original levado ao ar em 1999 liderado por Rosana Hermann. Uma espécie de revista eletrônica matinal com ares mais descontraídos. Mariana poderia se encaixar, perfeitamente, dentro da proposta.

Nesta fase recordiana, um fato curioso já chamou a atenção no Twitter. Mariana respondeu com emojis de aplausos efusivos em uma mensagem do polêmico Augusto Nunes que foi, erroneamente, alçado a apresentador do Jornal da Record News, assumindo o posto do competente e independente Heródoto Barbeiro. Para reflexão.

Fabio Maksymczuk

sábado, 13 de março de 2021

Confira pontos positivos e negativos de "A Força do Querer"

 

Olá, internautas

Nesta sexta-feira (12/03), a TV Globo encerrou a edição especial de “A Força do Querer”. Como já previsto desde o seu anúncio, a novela, que continua muito viva na memória afetiva do telespectador, enfrentou dificuldades para repetir o fenômeno de audiência da sua primeira exibição. Reprise muito precoce. Mesmo assim, a trama subiu na reta final.

Quando a segunda exibição de “A Força do Querer” conseguiu emplacar nos índices de audiência, a TV Globo resolveu encurtar o espaço da novela de Gloria Perez para encaixar os “melhores momentos” de “Amor de Mãe” que entrará com capítulos inéditos a partir desta segunda-feira (15/03). Erro grave.

Teria sido mais coerente resgatar a “primeira temporada” de Amor de Mãe por apenas uma semana a partir desta segunda.

Republicaremos o balanço final de “A Força do Querer” divulgado anteriormente em nosso antigo espaço do UOL.

____________ 

"A Força do Querer" termina como grande novela da década 

Olá, internautas

Nesta sexta-feira (20/10), a TV Globo exibiu o último capítulo de “A Força do Querer”. Missão dada. Missão cumprida. Assim, simboliza a conquista de Gloria Perez, direção e equipe. A autora e demais companheiros de jornada elevaram os índices de audiência da então combalida faixa horária, a mais tradicional da TV brasileira.

A emissora platinada retornou para a casa dos 50 pontos com “A Força do Querer”. A novela demonstrou a força da Globo nos lares brasileiros. Sempre ressaltamos neste espaço que Gloria Perez é a melhor autora de telenovelas do Brasil. E ela justificou o título com uma obra competente que envolveu o telespectador. Também é importante salientar a direção de Rogerio Gomes que trouxe um bom ritmo no desenvolvimento da história.

Gloria trouxe conjunto e harmonia ao texto. Fato que sempre cobramos neste espaço. Em outras novelas, há retalhos de diferentes autores e colaboradores que formam um capítulo desalinhado. Gloria escreve sozinha as suas obras. Trabalho redobrado, mas recompensador ao público.

“A Força do Querer” termina como uma das três grandes novelas da década. Todas as histórias foram contadas com um ritmo que não deixou a famosa “barriga”. A estrutura do roteiro fugiu do tradicional núcleo principal irrigado por histórias paralelas. Bibi, Jeiza, Silvana, Ivan/Ivana, Ritinha e até a antagonista Irene formavam um conjunto de protagonistas da novela sem uma atrapalhar a outra. Todas brilharam ao mesmo tempo.

Antes do nosso tradicional balanço com os pontos positivos e negativos, gostaria de deixar alguns registros. Fiuk, que interpretou Ruy, foi alvo de uma campanha negativa nas redes sociais. Discordo do achincalhamento sofrido pelo rapaz. O ator desempenhou um trabalho correto e não comprometeu a novela.  Nitidamente, evoluiu em comparação a trabalhos anteriores. Já Maria Fernanda Cândido também cumpriu sua missão ao trazer sua feminilidade, impregnada em Joyce, para duelar com a masculinidade de Ivan/Ivana.

Segue o nosso balanço final.




PONTOS POSITIVOS

Juliana Paes (Bibi): a atriz viveu o auge de sua carreira ao encarnar Bibi “Perigosa”. Uma personagem que demonstrou a competência da estrela da TV Globo. A atriz trouxe a humanidade da mulher que escolheu um caminho e pagou as consequências.  A novela não glamourizou o mundo do crime. Ao contrário. “A Força do Querer” expôs uma chaga que assola a sociedade brasileira. Bibi foi punida e mereceu a redenção ao lado de Caio (Rodrigo Lombardi). Sempre torci por esse final.

Isis Valverde (Ritinha): a atriz, mais uma vez, sobressaiu. Isis sempre se destaca nas novelas da TV Globo. Realiza ótimos trabalhos um atrás do outro. O público ficou encantado com a “sereia”. Isis personificou a liberdade da mulher com a personagem. 

Paolla Oliveira (Jeiza): era visível o prazer da atriz ao interpretar Jeiza, policial e lutadora do UFC.  Viveu uma das melhores fases de sua carreira. Paolla demonstrou competência e segurança com esse trabalho. Personificou os dilemas da mulher contemporânea. 

Marco Pigossi (Zeca): um dos trabalhos mais desafiadores para o ator. Superou o desafio de encarnar um sotaque complicadíssimo. Encontrou o tom durante o desenvolvimento da história e envolveu o público que torceu pelo final feliz do personagem com Jeiza.

 


Carol Duarte (Ivan/Ivana): a grande revelação de “A Força do Querer”. A atriz encarnou a personagem mais desafiadora da novela. Com o texto sensível de Gloria Perez, a atriz conseguiu passar o drama de Ivan/Ivana e a questão da transexualidade que até então era incompreendida por grande parte da sociedade. Importante trabalho de conscientização no combate ao preconceito. 

Zezé Polessa (Edinalva): a atriz mostrou sua versatilidade em “A Força do Querer”. Interpretou uma das personagens mais populares da novela. Formou uma boa “tabelinha” com Tonico Pereira. Seu Abel é uma cobra caninana.... O pau te acha, Ritinha..O pau te acha... Responsável pelos bordões que caíram na boca do povo.  Ótimo trabalho.

Elizangela (Aurora): a atriz personificou a reação do telespectador ao perceber a hecatombe da filha Bibi. Elizangela brilhou ao viver Dona Aurora com uma interpretação concisa e emocionante.

Lilia Cabral (Silvana): Silvana foi a personagem que mais conquistou o seu espaço do início ao último capítulo. O talento da atriz Lilia Cabral ajudou a alavancar o drama da jogadora compulsiva. 

Betty Faria (Elvira): a atriz ressurgiu na tela em um trabalho que honrou a história da atriz na teledramaturgia. Conduziu as “peraltices” de Elvirinha com maestria. 

 


João Bravo (Dedé): o ator mirim emocionou o telespectador em diferentes momentos, principalmente do aniversário de Dedé que contou com apenas o amigo Yuri (Drico Alves).

Rodrigo Lombardi (Caio): o ator cumpriu a sua missão ao viver o ético Caio. Ele passa virilidade no vídeo. E, em nenhum momento, relembrou o histórico Raj na nova parceria com Juliana Paes.

Jonathan Azevedo (Sabiá): outra ótima revelação da novela "A Força do Querer". O ator aproveitou a oportunidade e demonstrou competência ao viver o traficante Sabiá. 

 


PONTOS NEGATIVOS

Edson Celulari (Dantas): personagem totalmente solto e desconectado. Sobrou na estrutura do roteiro. O ator ficou perdido na novela.

Bruna Linzmeyer (Cibele): apesar do final interessante, a personagem também sobrou na estrutura de “A Força do Querer”. Ficou solta e desconectada desde o rompimento do casamento com Ruy (Fiuk).

Último capítulo: o último capítulo não honrou a excelente novela que já deixa saudade. Para finalizar a história dos personagens, a edição surgiu “videoclipizada”. Pá Pum. Sem grande desenvolvimento de histórias que poderiam ainda render no vídeo.  Na realidade, faltaram alguns capítulos adicionais (pelo menos, cinco) para retratar com mais parcimônia os desfechos. Claudio viu Ivan/Ivana e ficou chocado. Logo em seguida, aceitou um beijo “chocho”. Sem grandes explicações. Estão juntos. E ponto final. E o que falar do tão aguardado “reencontro” de Ruy e Zeca? Caíram no rio novamente, acordaram e notaram o índio. Trocaram olhares e, logo em seguida, um chama o outro de irmão no Rio de Janeiro. Sem conversas. Sem diálogos entre os dois. Faltou emoção neste momento tão esperado desde o primeiro capítulo. 

Abertura da novela: a abertura da novela poderia servir para qualquer novela. Não tinha identidade alguma com a obra. A impressão passada é que pegaram cenas gravadas no Monte Roraima, de Império, juntaram com outras e pronto!

Título da novela: a autora poderia ter criado um título mais marcante para a obra. “A Força do Querer” ficou genérico. 

Fabio Maksymczuk

quinta-feira, 11 de março de 2021

Representatividade ganha força na TV Globo com "Falas Femininas"


Olá, internautas

Na última segunda-feira (08/03), em virtude do Dia Internacional da Mulher, a TV Globo exibiu o especial “Falas Femininas”. No ano passado, a emissora ganhou ótima repercussão com ”Falas Negras”.

Desta vez, a rapper e estudante universitária Carol DallFarra, a auxiliar de enfermagem Cristiane Sueli de Oliveira, a diarista Sebastiana do Santos Oliveira, a ambulante Gleice Araújo Silva e a agricultora Maria Sebastiana Torres da Silva contaram um pouco de suas trajetórias no documentário que ampliou a representatividade na programação da emissora platinada.

Histórias de brasileiras que lutam, em seu dia a dia, por melhores condições de vida para si e para a família. Declarações contundentes das entrevistadas foram levadas ao ar, como “Moramos num País que os pais vão embora e as mulheres ficam". Mães que educam sozinhas os seus filhos. Fenômeno cada vez mais corriqueiro em nossa sociedade. Na época da Copa do Mundo em 2018, reportagens exploraram tal aspecto sobre os jogadores da seleção brasileira de futebol masculino que foram criados com o pai longe de casa.

“Comecei a aprender a ler depois dos 50 anos porque a minha caneta era uma enxada e o caderno era o chão”, bradou Sebastiana. Frase de impacto que provocou reflexão sobre a desigualdade social que marca o nosso País. “A gente já via no olhar da minha mãe um grito de socorro” é outra declaração que ganha contextualização com a violência doméstica.

Ao lado das reportagens que rechearam o documentário, Fabiana Karla mediou o encontro das cinco mulheres no estúdio. As histórias se entrelaçaram no debate. Ideia interessante. Depois, empoderadas, participaram de um ensaio fotográfico que encerrou a atração.

Com “Falas Femininas”, a mulher, principalmente das “franjas” da sociedade brasileira, se reconheceu com as histórias narradas no especial. Missão cumprida.

Fabio Maksymczuk