Páginas

quarta-feira, 29 de junho de 2022

Globo erra em sucessões

 

Olá, internautas

O Grupo Globo vive um momento de renovação em sua programação. O conglomerado aposta em remexidas que quebram o hábito do telespectador. Algumas sucessões não conquistam bom desempenho e desagradam parcela importante do público.

A emissora surpreendeu com a saída de Carlos Tramontina que há muitos anos apresentava, com brilhantismo, segurança e credibilidade, o “SP2”. O canal platinado apostou em José Roberto Burnier que, também há muitos anos, trabalhou como repórter do então SPTV. Nos últimos tempos, era apresentador da GloboNews e foi realocado para o telejornal paulista.  

Nesse período, Burnier comprova que é melhor repórter a apresentador. A postura do jornalista à frente do “SP2” fortalece o saudosismo do público com Tramontina. Escolha equivocada.

Já na programação matinal, Louro José deixou saudades. Figura insubstituível de Tom Veiga que há décadas formava uma ótima dupla com Ana Maria Braga. Eis que a TV Globo resolve, de supetão, apostar em novo mascote para o matinal. Sem a menor necessidade.  

E para piorar a situação, a mesmíssima figura de um papagaio que remete ao saudoso Louro José. Agora, é o Louro Mané, filho de José, que não se encaixou ao lado da apresentadora. Erro grosseiro. Outra sucessão equivocada.

Na GloboNews, o mesmo acontece. O jornalista Erick Bang, que brilhava há anos à frente da Edição da Meia-Noite, foi substituído por Narayanna Borges que também não está à altura do antecessor. Estilo completamente diferente.

E não para por aí. Até nas ondas do rádio a sucessão cria ruídos. No CBN São Paulo, a ótima Fabiola Cidral deveria ter sido substituída por Petria Chaves. Porém, apostaram em Debora Freitas que apresenta um estilo sisudo em comparação à antecessora. Fernando Andrade divide agora a apresentação do radiojornal. Poderia ter sido efetivado como único titular. 

E sem falar que parte dos telespectadores ainda estranha Luciano Huck à frente do “Domingão”. Comparações entre Fausto Silva e o paulistano no comando do Dança dos Famosos ganharam espaço.

As sucessões deveriam ter sido melhores estudadas.

Fabio Maksymczuk

domingo, 26 de junho de 2022

"Mistura Paulista" apresenta boa ideia na TV Globo

 

Olá, internautas

No último sábado (25/06), a TV Globo exibiu o último episódio da segunda temporada do “Mistura Paulista”. O programa vai ao ar apenas para São Paulo. Ocupa a faixa das 14h15 às 15 horas que até hoje, após o encerramento do “Estrelas”, não solidificou uma atração fixa. Reprises de humorísticos, como “Toma Lá, Dá Cá” e “Escolinha do Professor Raimundo – Nova Geração” pulularam recentemente por ali.

O perfil do “Mistura Paulista” combina com o público do “Jornal Hoje” que antecede na programação. Um acerto de horário. O programa comandado por Denise Thomaz Bastos e Luiza Vaz desvenda bairros paulistanos que não ganham a atenção merecida na grande mídia. Ou então são apenas vistos como regiões de alta taxa de criminalidade e estampam manchetes por crimes. Muitos fora da órbita do centro expandido.

As apresentadoras mostram curiosidades típicas dessas localidades. Na realidade, São Paulo é uma megalópole formada por “minicidades”. O bairrismo é presente na capital, como percebido na polêmica surgida após um comentário de uma moradora do Tatuapé sobre Vila Medeiros.

Nasci na cidade e jamais fui para Vila Formosa e Tremembé, bairros que ganharam destaque em um dos seis episódios da temporada. Denise e Luiza transmitem um novo olhar sobre essas regiões da Zona Leste e Zona Norte, respectivamente. As apresentadoras passam dicas esportivas, como a primeira academia de escalada do Brasil localizada no Jabaquara, e também culturais, como o Casarão do Vinil na Mooca. Agrega informação ao público.

“Mistura Paulista” apresenta uma ideia interessante na programação regional da TV Globo.

Fabio Maksymczuk

quinta-feira, 23 de junho de 2022

Sucessão de William Bonner gera dilema na TV Globo

 

Olá, internautas

O telejornal mais tradicional da TV brasileira vive um momento de transição. William Bonner começa, gradativamente, a se afastar do comando do “Jornal Nacional”. O apresentador, que está há mais de 25 anos à frente do noticiário, se ausentou, recentemente, em algumas oportunidades.

A TV Globo já sinaliza possíveis substitutos. Nesse período, Heraldo Pereira assumiu o posto ao lado de Renata Vasconcellos. O ex-apresentador do Jornal das Dez seria a melhor opção para suceder Bonner. Forma uma boa dupla com a apresentadora. Dois jornalistas experientes.

A TV Globo escalou também Marcio Bonfim. Vindo do NE2 – Globo Nordeste, ele é um jornalista mais desconhecido em todo o Brasil. Já Heraldo, há décadas, é conhecido do telespectador do “JN”. Apesar de ser mais jovem, Bonfim adota um estilo mais formal na apresentação.

Apesar de não aparecer com uma constância no “Jornal Nacional”, Cesar Tralli é outro nome forte que aparece entre os possíveis sucessores de Bonner. Atualmente, comanda o “Jornal Hoje”, telejornal de abrangência nacional. Vez ou outra, aparece na edição dos sábados do JN. Em uma dessas oportunidades, o apresentador fez questão de ressaltar que Bonner é seu “ídolo”, após a exibição de uma reportagem sobre a entrega de uma premiação ao apresentador-titular do JN nos Estados Unidos. Diferente de Bonfim, Tralli adota um estilo mais informal. Seria uma mudança de estilo no “JN”.

Bonner não é um nome insubstituível. A TV Globo, desde já, deveria investir no sucessor do apresentador para que a transição seja menos perceptível aos olhos do telespectador.

Fabio Maksymczuk

domingo, 19 de junho de 2022

Globo se rende a símbolos do SBT

 

Olá, internautas

Um fato curioso chama a atenção dos telespectadores na TV Globo. A emissora platinada se rendeu a símbolos de sua concorrente. Larissa Manoela, que construiu sua história na TV em produções infantojuvenis do SBT, protagoniza a novela das seis, “Além da Ilusão”.

Sua parceira Maisa Silva agora trilha o mesmo destino. Após um descanso de imagem, a eterna mini petit agora sempre aparece na tela da emissora platinada. Já deu o ar de sua graça no “Caldeirão com Mion”, “Altas Horas” e, neste domingo (19/06), “Maisinha” integrou o júri do Dança dos Famosos no “Domingão com Huck”.

Priscilla Alcantara é outro símbolo sbtista na programação da TV Globo. A ex-apresentadora do “Bom Dia & Cia” brilhou no The Masked Singer Brasil, consagrou-se como a grande campeã da primeira temporada e se tornou a apresentadora dos bastidores da atração musical.

Dentro ainda desse clima, no último sábado (18/06), Serginho Groisman recebeu Barbara Paz no “Altas Horas”. Logo no início do bate-papo entre os dois sbtistas, o apresentador relembrou a participação da atriz na Casa dos Artistas que provocou um terremoto nos índices de audiência do canal platinado.  “A Casa não saiu de mim não”, retrucou Barbara.

E não para por aí. Os canais do Grupo Globo na TV paga se renderam a produções mexicanas que fizeram história no SBT. Chaves e Chapolin conquistaram amplo destaque na programação do Multishow. Já Marimar está no ar no VIVA que estreará, em breve, “A Usurpadora”. “Maria do Bairro” aparece no catálogo do Globoplay.

E sem falar que Marcos Mion se inspirou no clássico Mão no Bicho, comandado por Gugu Liberato no Domingo Legal, em seu novo quadro Toque de Caixa no “Caldeirão”.

Sinais dos tempos.

Fabio Maksymczuk  

quinta-feira, 16 de junho de 2022

Surpresas desagradáveis entram no "Troféu Imprensa"

 

Olá, internautas

Na última quarta-feira (15/06), o SBT exibiu a 58ª edição do Troféu Imprensa. Após dois anos de interrupção devido à pandemia da Covid-19, Silvio Santos apresentou os melhores de 2021. A premiação mais tradicional da TV brasileira seguiu o mesmo formato dos últimos anos. Junto ao Troféu Internet.

Os três mais votados na votação on-line entram no Troféu Imprensa. Como ressalto todos os anos, a escolha dos finalistas deveria seguir o padrão anterior. Pesquisas de opinião com telespectadores de diferentes classes sociais e profissões.

Com o sistema atual, surgem surpresas desagradáveis, como o fracassado “Opinião no Ar”, de Luis Ernesto Lacombe, aparecer entre os três finalistas a melhor programa jornalístico. E não parou por aí. A renomada jornalista Renata Vasconcellos, do Jornal Nacional, concorreu com o “folclórico” Sikêra Jr. a melhor apresentador (a) de telejornal.  

Além do processo de votação dos finalistas do Troféu Imprensa, Silvio Santos deveria ouvir, como antigamente, todos os 11 jurados. Desse modo, o júri completo escolheria os melhores do ano. E não apenas cinco ou seis, como ocorre de alguns anos para cá. A escolha do vencedor ficaria mais alicerçada. Isso também evitaria empates, como ocorreu entre Amor de Mãe e Um Lugar ao Sol como melhores novelas de 2021.   

Neste ano, o SBT inovou a transmitir a tradicional premiação na noite de quarta-feira. O domingo é o dia nobre da emissora. O “Troféu Imprensa” ficaria mais valorizado na faixa do “Programa Silvio Santos”.

Mesmo com esses pontos, é louvável o retorno do “Troféu Imprensa” após o hiato de dois anos. O público sentiu saudade.

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 14 de junho de 2022

SBT sabota telespectador com "Cozinhe Se Puder"

 

Olá, internautas

O sábado continua sendo o dia mais fraco da programação do SBT. A emissora de Silvio Santos voltou a insistir no programa “Mestres da Sabotagem”, agora denominado “Cozinhe se Puder”. Ocupa a faixa desgastada das 22h30. 

A segunda temporada ganhou um novo comandante. Saiu Sergio Marone. Entrou Otaviano Costa. Marone desperdiçou a oportunidade para se firmar como apresentador. Ele trazia resquícios do “Anticristo”, seu personagem da novela Apocalipse, na condução da dinâmica das “traquinagens”. Não funcionou.

Agora, surge Otaviano. Apresentador mais experiente, mas com seu estilo que não transmite naturalidade no vídeo. Logo nos minutos iniciais da estreia da segunda temporada, falou alto em sua chegada. Gesticula demasiadamente. Características de sua persona televisiva. Apesar dessas considerações, entra no clima das brincadeiras.

O apresentador é coadjuvante no “Cozinhe se Puder”. A atração enfrenta o problema do formato que não se sustenta por uma hora e meia no ar. É um programa que não envolve o telespectador. As sabotagens não arrancam suspense, risada ou algum sentimento que “enfeitice” o público. Além disso, competições na cozinha já se encontram saturadas na programação da TV brasileira. Por isso mesmo, fica ao redor dos singelos 3 pontos de média. O desgastadíssimo Bake Off Brasil registra índices superiores.

“Cozinhe se Puder” poderia ter um resultado menos pior como um quadro em alguma atração. A primeira temporada já não tinha funcionado. E o mesmo acontece nesta segunda edição.

Fabio Maksymczuk

sábado, 11 de junho de 2022

Record TV desperdiça efeito Gênesis com "Todas as Garotas em Mim"

 

Olá, internautas

Nesta semana, um fato chamou a atenção nos números de audiência da Record TV. A emissora desabou nos índices em pleno horário nobre com a estreia de “Todas as Garotas em Mim”. A série escrita por Stephanie Ribeiro, sob direção de Rudi Lagemann, destoa das produções exibidas na faixa horária pela emissora.  

“TAGEM” busca um público jovem que, teoricamente, já se encontra na concorrente “Poliana Moça”. Considerável parte dos telespectadores das telenovelas recordianas deixou o canal. Uma verdadeira hecatombe. Médias entre 4 e 5 pontos. “Gênesis” chegava a 16 pontos.

Desde o encerramento da novela de Adão, Noé, Abraão, Isaac e Jacó, a Record TV desperdiçou os números conquistados. Exibiu reprises das suas produções inspiradas nos textos bíblicos, inclusive a própria Gênesis que tinha chegado naquele momento ao fim. Reforçou o desgaste.

Após isso, abandonou o filão novela para entrar em séries. Uma das hipóteses pode recair na pandemia da Covid-19. Produções mais curtas. “Reis” já tinha derrubado os índices da emissora da Barra Funda. “TAGEM” piorou ainda mais.

Nestes primeiros capítulos, o sotaque gaúcho imposto ao elenco, já que a história é ambientada na Região Sul do País, fortaleceu a artificialidade dos diálogos entre os personagens. O pronome “tu” reforça a impressão.

O roteiro que aborda o universo dos influenciadores digitais não abraça o público tradicional da emissora. Por isso mesmo, ocorreu uma debandada de telespectadores. A história de Sansão e Dalila, já narrada no canal, ganhou uma nova ótica. Agora com uma visão juvenil. É uma forma de reciclar a temática com outro viés. Desgaste.

A experiência de Adriana Garambone, que interpreta a avó Isis, sobressai no elenco formado majoritariamente por jovens. O ator Diego Kropotoff, que vive o “nerd” Erick, também é outro destaque positivo.

A derrocada de “TAGEM” logo em sua semana de estreia lembra o desastre de Metamorphoses que iniciou a estratégia “A caminho da liderança” nos anos 2000. Apostar em séries é um erro em um horário que já tinha sido consolidado por novelas.

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 7 de junho de 2022

Relação harmoniosa marca estreia do novo "TV Fama"

 

Olá, internautas

Na última segunda-feira (06/06), “TV Fama” entrou, mais uma vez, em uma nova fase. A atração, que retornou para a faixa das 21h30, agora conta com Fefito como grande novidade.

Após experiências malsucedidas, a emissora resgatou Flavia Noronha que, por 11 anos, comandou o noticiário das celebridades na RedeTV!. Nelson Rubens também retornou ao comando do programa.

Nesta primeira edição, a relação harmoniosa entre o trio foi percebida. Nelson e Flavia no estúdio virtual. Já Fefito em um cenário fixo. O pernambucano enfrentou problemas no áudio. Parecia que estava dublado em suas entradas. Falha técnica. Cada um respeitou o espaço do outro. Esse será o grande desafio.

“TV Fama” conta com sucessivos blocos comerciais e merchans, o que prejudica o tempo de arte. Nas matérias exibidas, uma, em especial, chamou a atenção. O ator Paulo Betti enfatizou que Milton Gonçalves não estava bem mentalmente quando o processou. Comentário desnecessário.

Na realidade, “TV Fama” deveria ter passado por uma reestruturação no formato. Fefito é sangue novo. Esperamos que o novo apresentador consiga levar a sua experiência do “Fofoca Aí” para a atração da emissora de Dallevo e Carvalho.  

Fabio Maksymczuk

domingo, 5 de junho de 2022

TV Globo reforça novo perfil com "Cara e Coragem"

 

Olá, internautas

Na última segunda-feira (30/05), a TV Globo estreou “Cara e Coragem”. A nova novela das sete, de Claudia Souto com direção artística de Natalia Grimberg, reforça a mudança de perfil das produções que ocupam a faixa horária.

As novelas das sete eram marcadas por um texto leve. Descontraído. Tramas populares de riso fácil. Basicamente, comédias ganhavam destaque. Agora, histórias mais densas conquistam cada vez mais espaço.

Foi assim com “Pega Pega”, outra novela da autora. Mesmo sendo apenas regular, conquistou expressivos índices de audiência em sua primeira exibição. O DNA da novelista já apareceu nos primeiros capítulos de “Cara e Coragem”.

É uma produção que aposta em ação, aventura e suspense. O universo dos dublês serve de pano de fundo para as histórias narradas. Nesta primeira semana, a morte de Clarice (Taís Araújo) apareceu envolvida em mistérios. A sósia Anita (Tais Araújo), que surgiu com maior presença no capítulo de sábado (04/06), já provoca especulações junto ao telespectador.

Com as reprises que tomaram conta da programação da TV Globo diante da pandemia do novo Coronavírus, alguns atores e atrizes ficaram com a imagem desgastada. Marcelo Serrado, que interpreta o protagonista Moa, apareceu constantemente nas novelas da emissora, como Fina Estampa e Pega Pega. Ressurge novamente no vídeo. Paolla Oliveira, que vive a outra protagonista Pat, também enfrenta o mesmo dilema. Apareceu em “A Força do Querer”. Já Tais Araújo, que dá vida a Clarice/Anita, mal desencarnou de sua personagem Vitória, em “Amor de Mãe”. Complicado.

Por isso mesmo, é louvável a escalação de dois atores que integram o núcleo central de “Cara e Coragem”. Ícaro Silva, que interpreta o vilão Leonardo, ganha uma excelente oportunidade. Poderá ser o grande nome da novela. Já Paulo Lessa também é outro que conquistou uma ótima chance ao viver o instrutor de parkour Ítalo. Mel Lisboa regressa aos domínios da TV Globo com a megera Regina (Mel Lisboa). Também outra boa novidade.   

“Cara e Coragem” não aparece como uma clássica novela das sete. Agora, é acompanhar a reação do telespectador com a proposta da emissora em apostar em outro filão na faixa horária.

Fabio Maksymczuk  

quinta-feira, 2 de junho de 2022

FABIOTV na coletiva de imprensa da série "Todas as Garotas em Mim"

 

Olá, internautas

Na última terça-feira (31/05), a Record TV promoveu a coletiva de imprensa da série “Todas as Garotas em Mim” no Sheraton São Paulo WTC Hotel (complexo onde ficavam confinados os participantes de “O Aprendiz”). O evento, que reuniu elenco, produção e direção, iniciou com a apresentação do clipe da nova produção realizada em parceria com a Formata.

“Todas as Garotas em Mim”, protagonizada por Mharessa Fernanda que interpreta a influenciadora digital Mirela, foi gravada durante cinco meses em diversas locações (112 cenários de externas), incluindo Gramado, Florianópolis, Petrópolis (durante as chuvas torrenciais), Paulínia, Vinhedo e Valinhos.

O diretor Rudi Lageman revelou que parte do elenco contraiu Covid-19, o que retardou as gravações. Ele enfatizou que os moradores de Gramado foram muito generosos com a equipe. Gravaram em pontos turísticos da cidade da Serra Gaúcha por duas intensas semanas.

“TAGEM” é uma mescla de tramas contemporâneas e bíblicas. No videoclipe apresentado durante a coletiva, a história de Sansão e Dalila, novamente, será abordada pela Record TV. Agora em uma leitura com perspectiva juvenil. Cenas ambientadas em um colégio aparecem juntas aos típicos embates com golpes de espadas vistos nas produções bíblicas da emissora.

A preocupação com o novo Coronavírus pode ser uma das justificativas para a escalação de Adriana Garambone que interpreta Isis, a avó de Mirela. A atriz, de 51 anos, poderia ser, na realidade, mãe de Mirela, vivida por Mharessa com 20 anos. Veremos como isso será narrado na produção.

Durante o bate-papo com Garambone, indaguei se “Todas as Garotas em Mim” pode ser comparada a Rebelde, outra produção “teen” do canal. Ela trabalhou nas duas produções. A atriz ressaltou que não faria essa comparação, já que Rebelde é um texto mexicano e “TAGEM” é um roteiro nacional.

Já Mharessa salientou que o seu maior desafio foi incorporar o sotaque gaúcho da personagem. Trabalhava de 13 a 14 horas por dia. “Protagonista é uma atleta”, frisou. Em comparação a sua personagem, enfatizou que ela é uma péssima pessoa pública. Segundo a jovem, ela enfrenta dificuldades para expor a sua vida pessoal nas redes sociais.

Mharessa também confidenciou que sua avó morreu há um ano e era uma grande incentivadora de sua carreira. “Meu maior exemplo de fé”, afirmou. Assistiam juntas “Gênesis” e ela orava para ver a neta na teledramaturgia da Record TV.

Com o lema “Fora da internet, a realidade é bem diferente”, a nova série explorará expressões típicas do ambiente digital, como crush, emojis e expressões como “Mirelar”. O gerente de comunicação do Grupo Record, Gilson Silveira, comandou a coletiva. Indagou se o personagem Julio, vivido por Angelo Paes Leme, seria “cringe”. O ator jogou a indagação para a sua companheira de cena, Rhaisa Batista, que interpreta a “esposa” Heloisa. Ela concordou com o adjetivo que ecoa nas redes sociais.   

Agradeço o convite da assessoria de comunicação da Record TV. Acompanharemos a estreia de “Todas as Garotas em Mim” na próxima terça-feira (07/06), às 21 horas.

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 31 de maio de 2022

RedeTV! potencializa linha ideológica com novo "RedeTV News"


Olá, internautas

Na última segunda-feira (31/05), "RedeTV News" iniciou uma nova fase com Luis Ernesto Lacombe e Érica Reis.  O telejornal retornou para a faixa das 19h30. “TV Fama” vai ao ar novamente a partir das 21h30. Troca. Destroca. Troca.

Na realidade, o noticiário do mundo das celebridades deveria ocupar a faixa das 20h30. Nesse horário, RR Soares alocou o horário para a Igreja Internacional da Graça de Deus. Trava o efeito cascata nos índices de audiência.

A entrada de Luis Ernesto Lacombe potencializa a linha ideológica do telejornal. Na estreia, após uma crítica da jornalista Amanda Klein ao programa Casa Verde e Amarela, o apresentador comportou-se como porta-voz do governo Bolsonaro e retrucou o discurso da colega. 

Ainda nesta edição, o telejornal divulgou com ênfase a pesquisa espontânea do Paraná Pesquisas para a disputa pelo governo do Estado de São Paulo. Destacaram que o ex-ministro de Infraestrutura do governo Bolsonaro, Tarcisio de Freitas, lidera com 6,6% das intenções de voto. Fernando Haddad fica com 4,1%. Manchete: Tarcísio já aparece à frente de Haddad. Depois, informaram o resultado da pesquisa estimulada com Haddad 28,6% e Tarcísio com 17,9%. Muito raramente, os telejornais enfatizam os números da chamada pesquisa espontânea.

E, por fim, o presidente Jair Bolsonaro fez questão de mandar uma mensagem a Luis Ernesto Lacombe e enalteceu o apresentador por sua isenção. O jornalista agradeceu efusivamente.

Ainda durante o “RedeTV News”, um fato negativo chamou também a atenção. O telejornal exibia uma matéria sobre a morte do ator Milton Gonçalves. De repente, tudo foi interrompido para a entrada das Loterias Caixa. No retorno, o telejornal continuou como se nada tivesse ocorrido. Complicado.

A nova fase do “RedeTV News” inicia com preocupação.

Fabio Maksymczuk

sábado, 28 de maio de 2022

Autor "amarela" em Quanto Mais Vida, Melhor!

 

Olá, internautas

Na última sexta-feira (27/05), “Quanto Mais Vida, Melhor!” chegou ao fim. A novela das sete da TV Globo, escrita por Mauro Wilson, com direção geral de Pedro Brenelli e direção artística de Allan Fiterman, passou sem despertar grande envolvimento do telespectador. A trama ficou abaixo da meta nos índices de audiência.

Logo nos primeiros capítulos, a novela informou o telespectador sobre um grande mistério. Um dos quatro protagonistas, Paula Terrare (Giovanna Antonelli), Neném (Vladimir Brichta), Guilherme (Mateus Solano) ou Flávia (Valentina Herszage), morreria após um ano do acidente de avião que marcou a estreia da trama.

O mistério percorreu os 160 capítulos da obra. Eis que no último capítulo, nenhum deles morre. O autor “amarelou” da decisão. Roteiro arranhado.

A novela foi insossa do início ao fim. O momento que poderia ter marcado uma virada também frustrou. As personagens centrais trocaram de corpos. Neném trocou com Paula. Flavia trocou com Guilherme. Na realidade, nesta fase, Mateus Solano passou a imagem de ter incorporado a alma do inesquecível Felix, de “Amor à Vida”. Só faltou bradar: “Olha o hot dog do Felix”....

“Quanto Mais Vida, Melhor!” termina sem deixar saudade. Poderia ter ganhado o título "Quanto Menos Capítulos, Melhor!"... 

Fabio Maksymczuk

Ps: nesta semana, enfrentei sérios problemas com o meu computador. Aconselho a quem possua ainda o Windows 7 alterar imediatamente para o Windows 10. Após uma atualização automática, o sistema travou. Por pouco, quase perdi todos os meus arquivos e fotos instalados na máquina. Quatro horas de backup. Tenso.

terça-feira, 24 de maio de 2022

Imagem desgastada contamina programação do SBT

 

Olá, internautas

A pandemia do novo Coronavírus atingiu todas as emissoras da TV brasileira. O SBT foi a mais atingida. As sequelas permanecem em sua grade. A mais nova remexida atingiu a faixa vespertina que se transformou em um ponto nevrálgico.

O canal resolveu exibir telenovelas entre meio-dia até 15 horas. Na antiga faixa do fracassado “SBT Notícias”. Entraram as “re-re-reprises” de Carrossel e Esmeralda, além da inédita “Paixões de Gavilanes”. Diante dos baixíssimos índices, a trama hispano-americana já saiu do ar com menos de 10 capítulos exibidos.

Essa estratégia já foi usada anos atrás. A emissora exibia as tramas clássicas na verdadeira faixa das “Novelas da Tarde” que foram empurradas para o começo da noite. Desta vez, a remexida na programação não surtiu o efeito desejado.

O SBT desestruturou a programação matinal com o enfraquecimento e posterior extinção do “Bom Dia & Cia”. “Fofocalizando”, desde o início, enfrenta percalços em seus seis anos no ar.  “Casos de Família”, que já está há 18 anos na grade, também passa por um forte processo de desgaste. Os temas repetitivos cansaram. As reprises constantes de suas novelas também enfraquecem a imagem do canal.

A emissora precisa se reinventar e reestruturar toda a grade de programação. A Band já está na cola com uma direção mais competente.  

Fabio Maksymczuk

sábado, 21 de maio de 2022

VIVA cumpre missão com "Pão-Pão Beijo-Beijo"

 

Olá, internautas

“Pão-Pão Beijo-Beijo” estreou nesta semana na programação do VIVA. A novela das seis da TV Globo, de Walther Negrão com direção-geral de Gonzaga Blota, foi exibida em 1983 com sucesso.

A história é centrada em três personagens: Ciro (Cláudio Marzo), Soró (Arnaud Rodrigues) e Bruna (Elizabeth Savala). Nestes primeiros capítulos, Arnaud Rodrigues, que fez história no humorístico “A Praça É Nossa” com os personagens Povo Brasileiro, Coronel Totonho, Chitãoró, Shop Centis e Mundinho o Mudinho, de fato, sobressaiu na produção da TV Globo.

O VIVA deveria resgatar novelas mais antigas em sua programação. É um deleite acompanhar atores e atrizes em sua juventude, como Elizabeth Savala, Cassio Gabus Mendes, Tassia Camargo, Edwin Luisi, Paulo Guarnieri, entre outros.

“Pão-Pão Beijo-Beijo” possui algumas curiosidades. Foi a primeira telenovela a ser redigida em um computador. Além disso, a trama seria ambientada em São Paulo. Nestes primeiros capítulos, os personagens do núcleo paulista já migraram para o Rio de Janeiro. Cenas gravadas na Rua 13 de Maio e suas cantinas foram levadas ao ar. Saudosismo puro.

Barra da Tijuca e seus edifícios recém-construídos se tornaram cenário do folhetim. Por isso mesmo, a telenovela teria o título de O Condomínio. O então “poderoso” Boni alterou para “Pão-Pão Beijo-Beijo”. Renata Sorrah seria a protagonista. O papel ficou com Savala.

O canal cumpre a sua missão em valorizar as telenovelas que entraram para a história da teledramaturgia nacional. Atualmente, duas novelas dos anos 2000 compõem a trinca: a fraca O Beijo do Vampiro e Alma Gêmea. Fora Páginas da Vida, outra trama apenas regular da década 00. O ideal seria exibir uma novela de cada década: anos 80, 90 e 2000. Fora que as produzidas nos anos 70 também deveriam ser resgatadas.

Fabio Maksymczuk

quarta-feira, 18 de maio de 2022

"MasterChef Brasil 9" estreia com bom ritmo

 

Olá, internautas

Na última terça-feira (17/05), a Band estreou a nona temporada do “MasterChef Brasil”. A competição culinária mais tradicional da TV brasileira enfrenta o natural processo de desgaste, já que a emissora emendou uma temporada atrás da outra. Em algumas oportunidades, até com duas edições em um mesmo ano.  

A disputa saiu do estúdio da Band, agora reservado ao apresentador Fausto Silva. Agora, a atração é gravada nos estúdios da Vera Cruz, em São Bernardo do Campo. Neste primeiro programa, ficou nítido que o cenário ganhou um espaço maior.

“MasterChef 9” manteve o trio de jurados do ano passado. Erick Jacquin, Henrique Fogaça e Helena Rizzo permanecem em boa sintonia. Ana Paula Padrão continua na apresentação. Neste primeiro episódio, interagiu um pouco mais com os cozinheiros amadores que disputam 300 mil reais.   

A edição contou com agilidade. A apresentação dos participantes passou naturalidade no vídeo. Cada um com o seu prato predileto. A gaúcha Genesca chamou a atenção pela sua personalidade forte. A cota de estrangeiros ficou com a grega Paraskevi. O carioca Rafael também se destacou pela postura de competidor. A mineira e engenheira civil Fernanda foi a primeira eliminada da competição.

A nona temporada do “MasterChef Brasil” iniciou bem.

Fabio Maksymczuk