Páginas

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

"BBB20" estreia com desafio de "Amor de Mãe"


Olá, internautas

Nesta semana, a TV Globo estreou a vigésima edição do “Big Brother Brasil”. O reality se transformou no mais importante do gênero na TV brasileira. “BBB” é o programa que melhor se acopla à internet. É o fenômeno da transmídia.

Especialmente desde o “BBB16”, os brothers e sisters aproveitam a fama instantânea para se espraiar nas redes sociais, especialmente o Instagram. Além do prêmio de R$1,5 milhão (valor desatualizado há anos), a conquista de seguidores se transformou em uma verdadeira obsessão.

Após a temporada apática de 2019, o “BBB20” veio com a novidade de trazer alguns “famosos” que integram o grupo Camarote. Adversários da trupe dos “Pipocas” composto por pessoas que se inscreveram e passaram por todas as etapas de seleção.

Na realidade, os nove “convidados” não são “tão” conhecidos do grande público. Nesta estreia, Tiago Leifert até frisou sobre a equipe: “talvez vocês conheçam”. Talvez mesmo. Porém, isso não é um problema. O “BBB” é construído por anônimos. Muito diferente da proposta de “A Fazenda”.

Mari Gonzalez já passou a impressão de “nariz empinado” no primeiro encontro com os “pipocas”. A modelo enfatizou que participou do “Pânico na Band”. Além de ex-panicat, destacou que foi apresentadora da atração. Oi? O ator Babu Santana já apostou no discurso de “negro e favelado”. A mesma “estratégia” de Danrley no ano passado. Manu Gavassi seria a mais conhecida do reality. Porém, com sua personalidade calma e “zen”, poderá ser “esmagada” pelos colegas.

Nesta vigésima edição, os médicos continuam com a sua cota. Personagens marcantes na história do reality. Desta vez, duas médicas: Marcela e Thelma. O ex-jogador Hadson, a cantora-vendedora Flayslane e a advogada Gizelly já passaram a impressão de serem pessoas com temperamento forte. Deverão criar cizânias no confinamento. Já Victor Hugo deverá revelar, teoricamente, a sua experiência de ser um assexual.

Nesta estreia, Tiago Leifert apareceu desanimado. Precisa de mais energia para comandar o show. Há ainda a Casa de Vidro que poderá remexer ainda o tabuleiro com a presença de ex-BBBs.

Nesta temporada, o “BBB” contará com o desafio de suceder “Amor de Mãe” na programação. A novela encontra-se fora da meta nos índices de audiência e deverá bater recorde negativo entre todas as produções da faixa horária.  O reality sempre é acoplado à novela das nove. Tanto que até hoje é considerado uma “novela da vida real”. O “BBB20” terá que chamar a atenção para alavancar a sua própria audiência e não se tornar a “pior audiência da história do reality” diante do efeito cascata negativo.

Fabio Maksymczuk  

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

FABIOTV na TV Cultura – "Roda Viva" com Sergio Moro


Olá, internautas

Recebi o convite da assessoria de comunicação da TV Cultura para acompanhar, nesta segunda-feira (20/01), a entrevista do ministro de Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, no “Roda Viva”. A atração entrou na temporada 2020 com uma novidade. A jornalista Vera Magalhães comanda agora um dos programas de entrevistas mais tradicionais da TV brasileira. Um espaço que fortalece a nossa democracia.

Cheguei à sede da emissora e logo vi manifestantes contrários ao ministro. Duas mulheres, em especial, ostentavam cartazes com a menção “Moro fascista”.  Ouviram que eu era jornalista e começaram a disparar em minha direção: "vai lá e pergunta sobre Flávio Bolsonaro". Segui adiante. Depois, resolveram me insultar: seu fascista. Agressividade desnecessária em um ambiente polarizado. Retrato de parte da sociedade brasileira.

Logo em seguida, adentrei na emissora. Convidados já participavam de um coquetel oferecido no ambiente externo. Por lá, vi Marcelo Tas, do “Provocações”, e Atilio Bari, apresentador do “Persona em Foco”.


Em um salão reservado aos convidados, um telão projetava a programação da TV Cultura. Às 22 horas, entrou o “Roda Viva” ao vivo com Moro. Uma das suas declarações mais polêmicas recaiu sobre a Vaza Jato. “Nunca dei importância para aquilo [os vazamentos], foi um monte de bobajarada....Agora, foi usado politicamente para tentar soltar criminosos presos, pessoas que haviam sido condenadas por corrupção e, principalmente, enfraquecer politicamente o Ministério da Justiça e Segurança Pública”, disparou.

Em seguida, o ministro defendeu a divulgação dos áudios captados entre a então presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula que assumiria um ministério. Para Moro, isso atendeu o bem do interesse público, já que era uma obstrução da Justiça ao buscar o foro privilegiado.  

Moro também defendeu que as investigações do assassinato de Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes permaneçam na Justiça do Rio de Janeiro, já que a própria família descarta a federalização do caso. Segundo o ministro, o presidente Jair Bolsonaro nunca interferiu no processo.
Sobre o vídeo do então secretário nacional de Cultura, Roberto Alvim, inspirado no ministro nazista, Paul Joseph Goebblels, classificou o material como bizarro. “Episódio insustentável”, sentenciou. O ministro foi indagado sobre a novidade do juiz de garantias. “Não é prioridade para a melhora do sistema judiciário”, resumiu.

Agradeço o convite da assessoria de comunicação da TV Cultura. Sempre é bom acompanhar in loco os bastidores da nossa televisão.

Fabio Maksymczuk

domingo, 19 de janeiro de 2020

Reality gay ganha destaque na madrugada da RedeTV!


Olá, internautas

A RedeTV! apostou em uma novidade em sua programação da madrugada. Trata-se do programa “Os Corujas no Ar” sob comando de Eduardo Bodstein e Bruno Lorenzetti. É um reality que acompanha o dia a dia do casal homoafetivo.

A produção independente vai ao ar após os melhores momentos do Encrenca, na madrugada de sábado para domingo. A primeira meia hora sempre é a reprise do episódio inédito que vem a seguir. Portanto, uma hora no ar.

O grande mérito da atração é destacar dois homens bem-sucedidos, sem o estereótipo de “jovens sarados da The Week”. O reality sempre conta com alguma participação especial. Em episódios anteriores, a tailandesa Yuko, do MasterChef, preparou um jantar no apartamento dos corujas. A atriz Vanessa Goulartt também foi uma das convidadas.  

O “príncipe” ex-BBB André Martinelli passou dicas para “bombar” nas redes sociais. O ator Fernando Vieira, proprietário da Escola de Atores Palco Teatro, deu dicas sobre interpretação.

No episódio mais recente, Eduardo e Bruno discutiram. Brigaram na Blue Space. Segundo Lorenzetti, o companheiro tira a sua liberdade. Depois, fizeram as pazes no Hotel Hilton. Rolou até beijo na boca nesta edição, o que não é visto com tanta frequência durante o desenrolar do reality.

As relações familiares também ganham destaque. O telespectador teve a oportunidade de conhecer as famílias dos corujas. O pai de Eduardo, por exemplo, trata o companheiro do filho de “melhor amigo”.

Mesmo em um horário ingrato, “Os Corujas no Ar” é mais um passo no combate à homofobia promovido na TV brasileira.  

Fabio Maksymczuk

quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

Novidade: FABIOTV no Instagram


Olá, internautas

Com o objetivo de compartilhar um pouco da minha rotina cultural, além de propagar, ainda mais, as notas do site e as análises da programação da TV brasileira divulgadas no blog, entrei no Instagram.

O meu perfil é:


Será um prazer contar com sua visita!

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Grupo Globo se rende a Chaves e Chapolin


Olá, internautas

Um fato inusitado ocorre na programação do Multishow. Anos atrás, as madrugadas do canal da TV paga eram recheadas por produções eróticas. SexyTime ocupava a faixa da meia-noite e meia.

A sessão deixou a grade da emissora. Atualmente, Chaves e Chapolin, estrelas máximas do SBT, sucederam o “nheco nheco”. O Grupo Globo se rendeu aos personagens de Roberto Bolaños que, por muitos anos, incomodavam os domínios da família Marinho.

O Multishow exibe a abertura original da produção da Televisa. Interessante. Bonequinhos na vila do Chaves iniciam o seriado. O encerramento também é mantido. O ano em número romano estoura no vídeo. Marca registrada da emissora mexicana.

Chaves e Chapolin funcionam como uma boa opção aos telespectadores de diferentes gerações que, mesmo após enésimas reprises, ainda riem com o humor do polegar vermelho e do menino do barril.

O fim da noite termina mais leve. Descontraído.

Fabio Maksymczuk

sábado, 11 de janeiro de 2020

TV Cultura acerta dia de exibição do "Persona em Foco"


Olá, internautas

“Persona em Foco” é uma das atrações mais interessantes da programação da TV Cultura. Sob comando de Atilio Bari, o programa já pululou de dias e horários. Agora, encontra-se na faixa das 22h45 às sextas-feiras. Uma boa opção ao telespectador que deseja fugir das “aventuras da vida selvagem na África” do Globo Repórter.

“Persona em Foco” sempre recebe atores renomados que constroem as artes cênicas no Brasil. Nesta sexta (10/01), o ator Marcelo Serrado foi sabatinado por Alessandra Verney, que contracenou com o artista em dois espetáculos musicais, e pelo produtor teatral Eduardo Barata.

O bate-papo desenrolou, principalmente, sobre os universos do teatro e televisão. Serrado frisou que detesta acompanhar o seu primeiro trabalho na televisão em “Anos Rebeldes”. Disse que é possível constatar sua evolução em décadas de trabalho. Aguinaldo Silva e Walcyr Carrasco deixaram mensagens de apoio ao ator.

Serrado também fez uma constatação interessante. Da sua turma com 40 estudantes de Artes Cênicas, apenas dois seguiram carreira. Essa é a regra. Jornalismo, inclusive.

A plateia é formada por estudantes de Teatro. Eles têm a possibilidade de conversar com os profissionais consagrados pelo mercado. A emissora da Fundação Padre Anchieta sempre lança o aviso da gravação dos programas no site do canal e abre a possibilidade de participação.

Para quem aprecia dramaturgia, “Persona em Foco” é um dos programas que atende a esse anseio.

Fabio Maksymczuk

quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

TV brasileira entra 2020 em baixa


Olá, internautas

A ressaca das festas de fim de ano marca a programação da TV brasileira neste início de 2020. A TV Globo, que normalmente produzia as suas tradicionais minisséries, agora resolveu tirar “O Auto da Compadecida” do fundo do baú. 20 anos depois, a produção retorna. Seria o período ideal para a exibição de “Hebe” na emissora.

A RedeTV! exibe uma sucessão de reprises em sua grade de programação que já não conta com uma diversidade de atrações. “A Tarde É Sua”, “SuperPop”, "TV Fama" e “Sensacional” jogam matérias e programas repetidos no colo do telespectador.

A Record TV também segue o mesmo rumo. Até desgasta o interessante “Troca de Esposas” com reprises antes do lançamento oficial da segunda temporada.

O SBT chegará a exibir, pela terceira vez, episódios do “Fábrica de Casamentos” antes da entrada da nova leva de programas. Em virtude dos problemas de saúde do animador, o “Programa Silvio Santos” também resgata os melhores momentos de 2019. Igual a Eliana.

Já a Band escalou filmes para tapar o buraco na programação noturna.

Sinais dos tempos.

Fabio Maksymczuk

domingo, 5 de janeiro de 2020

"The Voice Kids 5" estreia com desafio


Olá, internautas

Neste domingo (05/01), a TV Globo estreou a quinta temporada do “The Voice Kids”. O talent show permanece com o mesmo time do ano passado. O apresentador André Marques e o trio de jurados formado por Carlinhos Brown, Claudia Leitte e a dupla Simone & Simaria comandam a atração. Thalita Rebouças, que desbrava os bastidores, também continua no programa.

A disputa musical entra no ar com a missão de trazer alguma novidade ao telespectador. O formato já começa a enfrentar o natural processo de desgaste. Por isso mesmo, a boa escalação das crianças e jovens entre 9 e 14 anos de idade é fundamental.

Neste primeiro programa, Kauê Penna, de São João de Meriti, sobressaiu entre os candidatos. Soltou o vozeirão ao interpretar uma canção internacional. Até aqui, o cancioneiro nacional dominou. Diferente do que ocorre na versão adulta.

Melissa Uehara, descendente de orientais, também chamou a atenção do telespectador. Analu Sampaio, figurinha carimbada do Programa Raul Gil, entrou na disputa e passou de fase.

“The Voice Kids” sucede “Popstar” que não engrenou nos índices de audiência pelo segundo ano consecutivo. A disputa infantojuvenil, até aqui, sempre rendeu boa repercussão.  E é essa a expectativa para a quinta temporada.

Fabio Maksymczuk   

quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Breves pitacos sobre especiais de fim de ano da TV brasileira


Olá, internautas

As emissoras produziram uma série de especiais de fim de ano. Seguem breves comentários sobre algumas atrações:

1 - Noite Feliz com Catia Fonseca: a Band acertou ao produzir esse especial de fim de ano. Catia, com sua vasta experiência, soube conduzir a atração que reuniu Péricles, Chrigor, Salgadinho e Edilson. Os quatro convidados bateram um papo leve e fluído. A emissora poderia avaliar um programa noturno com apresentação de Catia Fonseca.

2 – Edição de Natal e Ano Novo do “Mulheres”: Regina Volpato comandou com alegria os dois especiais de fim de ano do tradicional feminino da TV Gazeta. Todo o elenco de colaboradores passou descontração. Estavam felizes ao participarem das brincadeiras. O “amigo secreto” funcionou sem os presentes. Cada um entregava ao outro mensagens positivas.   

3 – Bake Off SBT: o especial de fim de ano do SBT passou o clima de confraternização entre as estrelas da emissora. A vitória de Junior Mendes foi merecida. O maquiador sobressaiu nas quatro provas. O competitivo Lucas Anderi também se destacou na disputa.

4 – Especial de Roberto Carlos: a TV Globo deveria reavaliar a permanência desse especial na grade de programação. Neste ano, bateu recorde negativo histórico ao rondar a casa dos 17 pontos. A emissora poderia produzir um especial natalino com o cantor do ano.

Fabio Maksymczuk

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Confira os piores da TV brasileira em 2019


Olá, internautas

Chegamos ao último “post” deste ano. A TV brasileira reservou maus momentos para os telespectadores em 2019. Segue a lista dos piores do ano.

PIOR NOVELA: O Sétimo Guardião
A novela de Aguinaldo Silva e seus colaboradores aprofundou a crise da mais tradicional faixa horária da TV Globo. A trama girou ao redor dos 30 pontos, sem nenhuma grande expectativa para o telespectador, mesmo com a série de assassinatos dos guardiães que fizeram nenhuma falta. 

PIOR ATOR: Luiz Fernando Guimarães (Amadeu)
Luiz Fernando Guimarães destoou, desde o início, na novela “O Tempo Não Para”. A atuação do ator, que interpretou o então milionário Amadeu, provocou rejeição. Por isso mesmo, o sumiço do personagem não fez falta à história.

PIOR ATRIZ: Yanna Lavigne (Laura)
A atriz, em grande parte da novela, apresentou uma postura artificial com sua personagem Laura. Mal escalada para o importante papel na trama de “O Sétimo Guardião”. Experiência no elenco se faz em outras faixas horárias e não na principal da emissora.


PIOR APRESENTADOR (A): Rodrigo Faro
“Como é que tá a audiência”. Tal frase, entoada durante a “homenagem” a Gugu Liberato após a sua morte, simbolizou o apresentador neste ano. Faro não passa naturalidade no vídeo. Por essas e por outras, perdeu a vice-liderança isolada na guerra dominical.

PIOR PROGRAMA HUMORÍSTICO: Te Peguei
A RedeTV! escalou uma série de pegadinhas sem graça nos buracos da programação, principalmente na madrugada. Não arranca sequer um sorriso amarelo.

PIOR REALITY/TALENT SHOW: BBB19

O elenco do “BBB19” fugiu dos confrontos e de uma possível rejeição. Porém, o tiro saiu pela culatra. Muitos participantes desta edição do reality da TV Globo decepcionaram.  Saíram sem deixar algum rastro e lembrança no telespectador. Não aproveitaram a oportunidade.



PIOR PROGRAMA DE AUDITÓRIO: Domingo Show
A nova fase da atração da Record TV iniciou com um grave problema. O projeto do palco resultou em um tom sombrio e escuro no vídeo. Não combina com o clima ensolarado do domingo. O auditório, teoricamente, serviria para amenizar as pautas “tristes”. Seria um espaço para trazer um ar mais leve com convidados especiais. Isso não aconteceu. “Domingo Show” precisa de mais show nas quatro horas de exibição. E mais agilidade no andamento do dominical. A missão está agora com Sabrina Sato.

PIOR PROGRAMA ESPORTIVO: Cobertura do Pan-Americano na Record TV

A Record TV, basicamente, explorou reprises dos Jogos Pan-Americano de Lima na madrugada. Foi um “pot-pourri” de melhores momentos da delegação brasileira. Na cerimônia de abertura, a situação ficou evidente. Ao invés da emissora derrubar a exibição de um filme na Super Tela, preferiram copilar alguns trechos aleatórios do evento que marca o início das competições a partir da meia-noite e meia.



FIASCO DO ANO: Se Joga
A nova aposta platinada, que entrou com a missão de reconquistar a liderança na faixa vespertina, chegou a amargar a terceira colocação em alguns momentos. Um trio de apresentadores comanda o programa. A duração de uma hora diária não necessita de três comandantes. Fernanda Gentil, Érico Brás e Fabiana Karla se esguelham na apresentação. O programa fica barulhento. Gentil daria conta sozinha do recado. Fabiana e Érico não são apresentadores. Além disso, o formato lembra mais um liquidificador. Mistura tudo e joga no colo do telespectador. O programa fica sem identidade.

Fabio Maksymczuk

sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Confira os melhores da TV brasileira em 2019


Olá, internautas

2019 ficará marcado como um ano repleto de casos que mexeram com a sociedade brasileira. Desde o desastre ambiental em Brumadinho até a morte de Gugu Liberato, a TV brasileira se mobilizou para cobrir os acontecimentos.

Segue a relação dos melhores da TV brasileira:

MELHOR NOVELA: Bom Sucesso

Em um ano marcado por novelas, em sua grande maioria regulares, “Bom Sucesso” se destacou em 2019. A trama, de Paulo Halm e Rosane Svartman, com direção artística de Luiz Henrique Rios e direção geral de Marcus Figueiredo, sobressaiu, principalmente na primeira metade da obra.  A novela tem o mérito de incentivar o hábito da leitura no telespectador. Além disso, a diversidade étnica marca o elenco. Ponto positivo. O drama central, protagonizado por Alberto (Antonio Fagundes) e Paloma (Grazi Massafera), sobre a finitude da vida, sensibilizou o público. Além disso, o casal de protagonistas formado entre Paloma e Marcos (Rômulo Estrela) funcionou no vídeo.

MELHOR ATRIZ: Marjorie Estiano (Sob Pressão)

Marjorie viveu o auge de sua carreira artística na terceira temporada de “Sob Pressão”. A sua atuação, no episódio duplo da série, é inesquecível. Nesta oportunidade, doutora Carolina, que estava grávida, perdeu o seu bebê por um incidente. Marjorie transmitiu, através do olhar, todo o horror interno e externo, já que no hospital também ocorria troca de tiros entre polícia e bandidos com feridos e mortos espalhados pelos corredores.



MELHOR ATOR: Felipe Camargo (Espelho da Vida)

O ator sobressaiu em “Espelho da Vida” com o maior espaço dado aos anos 30 na trama. Camargo trouxe toda a sua experiência ao incorporar Coronel Eugênio. Foi um dos seus melhores trabalhos na teledramaturgia. Excelente. A ambivalência com Américo se transformou em um desafio duplo.

MELHOR SÉRIE: Sob Pressão

“Sob Pressão” é uma atração necessária na TV brasileira por jogar luz, através da teledramaturgia, sobre a caótica rede de saúde pública do nosso País. A competente direção artística de Andrucha Waddington e direção de Mini Kerti, Rebeca Diniz, Pedro Waddington e Julio Andrade trouxe ritmo à série. O telespectador fica envolvido com a história narrada. O drama do sistema de saúde aliado aos conflitos dos personagens não “pesam” na atração. Roteiro e direção trabalham com destreza.

MELHOR REALITY SHOW: Troca de Esposas

O “Troca de Família” já tinha deixado saudade no telespectador. A nova versão apresentada por Ticiane Pinheiro na Record TV ocupou o vácuo. Em todas as trocas, o telespectador pôde se reconhecer (ou não) com os hábitos dos participantes. Em uma residência, só usavam copos de plástico para não lavar louça. Ou então, outra família preferia solicitar delivery no jantar para também não lavar tanta louça. Ou aqueles que preferem fazer lanche ao invés da tradicional janta. E assim por diante.



MELHOR TALENT SHOW: Canta Comigo

“Canta Comigo” é um dos programas mais belos da TV brasileira. O cenário é deslumbrante. Realmente, é uma embalagem moderna para o velho conhecido “show de calouros”. E nesta temporada, a produção exibida na Record TV escalou cantores bem superiores em relação ao ano passado. O “sarrafo” subiu. A disputa ficou muito mais acirrada. A vitória do haitiano Franson, que sensibilizou o telespectador, coroou a boa temporada. Além disso, foi a última atração comandada por Gugu Liberato que já deixa saudades na TV brasileira.

MELHOR APRESENTADOR (A): Ana Maria Braga

Neste ano, o programa “Mais Você” celebrou 20 anos na TV Globo. No decorrer desse tempo, Ana Maria Braga sempre emprestou sua identidade ao programa matinal. A veterana apresentadora é um dos principais nomes da TV brasileira. É uma companheira do público.

MELHOR PROGRAMA JORNALÍSTICO: Conexão Repórter

“Conexão Repórter” adaptou-se à faixa da meia-noite de segunda para terça-feira no SBT. Neste ano, Cabrini viajou pelo mundo atrás da notícia. Entrevistou, em primeira mão, o ex-Dominó Marcelo que revelou detalhes sobre o acidente que vitimou Gugu Liberato. Foi in loco na escola em Suzano onde ocorreu o atentado que deixou dez mortos. Entrevistou populares nas ruas até políticos no centro do poder. Transformou números frios em histórias de vida.

Fabio Maksymczuk

terça-feira, 24 de dezembro de 2019

Meia, caneta e diário marcam amigo secreto do "Aqui na Band"


Olá, internautas

Nesta terça-feira (24/12), o programa “Aqui na Band” ganhou o seu especial de Natal. Com a nítida marca do diretor Vildomar Batista, a atração reuniu as estrelas da emissora do Morumbi. Ótima ideia.
 
O telespectador teve a oportunidade de acompanhar uma confraternização entre apresentadores, comentaristas e jornalistas da Rede Bandeirantes. Porém, alguns fatos precisam ser mencionados.
Visivelmente, Henrique Fogaça, do “MasterChef”, estava incomodado. Passou grande parte do especial com cara amarrada. E para piorar a situação, o colunista Nathan, ou Nana Rude, ainda comentou que o chef tem cara de lenhador. Gargalhada geral no estúdio.

Os apresentadores e colaboradores do “Aqui na Band” tinham o seu próprio microfone acoplado ao rosto. Já os demais colegas de emissora, precisavam usar o microfone de mão. Para abrir os presentes, muitos enfrentaram dificuldades. Segurava microfone. Dava o artefato para o colega. Ficava sem som. Voltava com o microfone e o presente na outra mão. Uma mesinha ao lado poderia ter sanado tal problema.

Todos do MasterChef, um dos carros-chefes da casa, estavam presentes. Menos Paola Carosella. Ficou estranho. Saia justa entre Milton Neves e Roberto Justus precisou ser contornada. Milton já processou o comandante de O Aprendiz.  

Os presentes poderiam ter ganhado um maior destaque no especial. O jornalista Luiz Megale presenteou a colega com um caderno travestido de diário. Como assim? Joel Datena presenteou Jacquin com um par de meia. Oi? Neto ainda ganhou canetas de Lacombe.

O amigo secreto possibilita o encontro entre as estrelas em um mesmo ambiente. Isso é interessante. Porém, a criatividade deveria se impor na troca dos presentes.

Fabio Maksymczuk  

domingo, 22 de dezembro de 2019

Porchat se transforma em símbolo do GNT



Olá, internautas

2019 marcou um ano de virada para Fabio Porchat. O humorista saiu da Record TV e encontrou novos desafios no GNT. Como já informado neste espaço, a emissora da Barra Funda, de certa forma, não sentiu a ausência do apresentador. As séries norte-americanas, como Chicago Fire, mantiveram os índices de audiência do talk show. Oscilam entre 4 e 5 pontos. Nada mal.

Já Porchat investiu no GNT. Continuou no interessante “Papo de Segunda” ao lado de Emicida, João Vicente e Chico Bosco. É um programa “maduro”. A cada segunda-feira, o quarteto recebe um entrevistado e um não sobrepõe o outro durante o bate-papo. Em uma edição recente, o ator Silvero Pereira trouxe um discurso engajado, especialmente sobre a homofobia, sem ser “militante chato”. Trouxe ponderações interessantes sobre o filme Bacurau. Ele é um dos destaques do longa nacional.

Neste ano, o apresentador investiu no “Que História É Essa, Porchat?”. A atração traz declarações inusitadas de famosos que contam os seus “causos”. O grande mérito da atração é garimpar declarações até então desconhecidas do telespectador. Um exemplo pode ser citado com o ator Kiko Mascarenhas que falou sobre o perrengue ocasionado por uma dor de barriga durante a inauguração de uma boate gay em Jacarepaguá, até então um lugar longínquo do Rio de Janeiro em 1990. Hilário.

Diferente do “Programa do Porchat”, que era mais show ao invés de talk, “Que História É Essa, Porchat?” é mais talk que show. Evidentemente, agora no guarda-chuva do Grupo Globo, Porchat tem à disposição um número maior de opções de entrevistados.

Porchat se transformou em símbolo do GNT. É a sua principal estrela na atualidade.

Fabio Maksymczuk

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Desgaste marca "Família Record"


Olá, internautas

Os especiais de fim de ano começam a pulular na programação da TV brasileira. O tradicional “Família Record” ganhou espaço nesta semana na emissora da Barra Funda. Neste ano, o desgaste do formato ficou latente.

O amigo secreto entre as estrelas do canal chamou a atenção do telespectador no “Hoje em Dia”. Ali, a atração tinha a força de uma confraternização. Depois, transformou-se em um especial de dois dias na faixa noturna. E perdeu o fôlego.

Todo ano, é a mesma situação. E para esticar o especial, surgiram números musicais e gincanas dos anos 80.  Resultado: “Família Record” bateu recorde negativo nos índices de audiência. Ficou entre 6 e 7 pontos.

Ao invés de ter realizado um novo sorteio, a Record TV manteve o nome de Gugu Liberato na atração, mesmo após a sua morte. Ficou estranho. Desnecessário. A apresentadora Ana Hickmann mais parecia uma cover de Pabllo Vittar no especial. Visual estranho. E a apresentação de Sabrina Sato neste programa já causa apreensão para o dominical.

Por outro lado, a emissora exibiu o especial “O Figurante” protagonizado por Eri Johnson. A sitcom trouxe humor à grade de programação da Record TV. E isso é ótimo. O episódio conseguiu arrancar risadas do público. A atriz Perola Faria interpretou uma "blogueira" (na realidade, era uma influencer) com 15 milhões de seguidores. E ela anunciou @kittycarrao Acessei a rede social e não existe. Vacilo.

“Família Record” precisa de uma reinvenção. Episódios especiais, que podem funcionar como teste, são bem-vindos.

Fabio Maksymczuk

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Falta de transparência compromete final do "MasterChef – A Revanche"


Olá, internautas

Nesta terça-feira (17/12), Vitor Bourguignon consagrou-se como o grande vencedor do “MasterChef – A Revanche”. Zebra. O curitibano não era apontado como um dos favoritos. Estefano Zaquini, que tinha a torcida de grande parte do público, ficou em segundo lugar. A apresentadora Ana Paula Padrão revelou que Vitor ganhou a disputa por apenas um ponto.

Eis que retornou o “pesadelo” da primeira temporada da versão profissionais. As notas de Henrique Fogaça, Paola Carosella e Erick Jacquin não foram reveladas. A falta de transparência comprometeu a grande final. O semblante entristecido do trio de jurados chamou a atenção do telespectador. Nenhum deles passou vibração com a vitória do paranaense.

O trio criticou o prato principal e a sobremesa de Vitor. Já Estefano ficou atrás, principalmente, na entrada. Qual foi a diferenças das notas? Acesso negado.

Como já era previsto, “MasterChef – A Revanche” não explodiu nos índices de audiência em seu retorno para as noites das terças-feiras. Além do próprio desgaste do formato com duas edições em um mesmo ano, o talent show enfrentava diretamente “A Fazenda 11”. Público semelhante.

Por isso mesmo, “MasterChef – A Revanche” deveria ter continuado nas noites de domingo. Fugia da concorrência do reality da Record TV. Porém, a Band exibe atualmente os jogos da NBA nesta faixa horária.

O talent show acertou ao resgatar ex-participantes. As mulheres decepcionaram. Katleen foi a que chegou mais longe com a quinta colocação. Os recém-egressos da sexta temporada versão amadores, Haila e Helton, foram eliminados precocemente.  

Fernando Cavinato continua o mesmo “atrapalhado” e querido pelo telespectador. Já Fernando Kawasaki, conhecido por Fernando Bracho, permanece com o temperamento forte. Sabrina Kanai enfatizou que seria uma nova mulher, mas continuou a passar insegurança na competição.

Desta vez, a disputa focou no enfrentamento culinário. O “mimimi” e o “disse-me-disse” ficaram em segundo plano. Apesar disso, a edição não passou o robusto crescimento profissional de Vitor Bourguignon. Estefano, sim.

Fabio Maksymczuk